EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

23 de Outubro de 2019

Jabaquara se nega a pagar multa de R$ 1 mil e tem jogo suspenso na última rodada do estadual

A FPF recebeu uma denúncia anônima acusando o clube de ter descumprido o regulamento da competição. O presidente Adelino Rodrigues rechaça a acusação

O Jabaquara não entrará em campo neste domingo (30), quando disputaria a última rodada da Segunda Divisão do Campeonato Paulista contra o Barcelona-SP, no Estádio Espanha. Isso porque o clube santista foi punido com a suspensão da partida após ter se negado a pagar uma multa de R$ 1 mil por ter sido acusado de descumprimento do artigo 32 do regulamento da competição.

Em contato com a Tribuna On-Line, o presidente Adelino Rodrigues confirmou as sanções impostas ao Leão da Caneleira. O mandatário disse ter recebido um boleto e a notificação de que o clube estava sendo multado por ter infringido uma das regras previstas pela Federação Paulista de Futebol (FPF), que afirma que "é vedada a presença de qualquer dirigente no banco de reservas ou ao redor do campo de jogo, sendo incompatível seu cadastramento ou participação como integrante da comissão técnica, médica ou equipe de apoio".

Segundo ele, a federação recebeu uma denúncia anônima acusando o Jabuca de não ter cumprido o regulamento nas seis primeiras rodadas do torneio, já que, de acordo com o acusador, o técnico Cacá acumulava cargos no clube e era, também, vice-presidente de futebol. Depois, a entidade que rege o futebol paulista emitiu um boleto no valor de R$ 1 mil a ser pago pelo Jabaquara como multa. Adelino, porém, se negou a pagar a pena, rechaçando a acusação que Cacá tenha conciliado funções nas seis primeiras partidas.

"A FPF nem ao menos me deu o direito de defesa. Eu não pago multa para gente que não sabe o que é democracia. Tenho a carta assinada por Cacá com firma reconhecida de que ele estava abandonando o cargo na diretoria quando treinou o Jabaquara no início da Segunda Divisão", disse o presidente do clube santista.

Cacá esteve no comando técnico do Jabuca até a metade do campeonato, quando Gilberto Costa, que era seu auxiliar, assumiu como treinador. Conforme conta Adelino, ambos concordaram em deixar seus cargos como dirigentes do clube para fazerem parte da comissão técnica, e deixaram a decisão registrada em documentos que foram compartilhados com a reportagem. Gilberto, antes, era vice-presidente de esportes amadores.

Ambos concordaram em deixar seus cargos como dirigentes para fazerem parte da comissão técnica (Divulgação/Jabaquara AC)

Por ter se recusado a pagar a multa, o Leão da Caneleira recebeu outra punição: a suspensão da partida válida pela rodada final da Segundona, e, consequentemente, o perda por 3 a 0 (W.O.) na partida que seria jogada neste domingo. 

"É um favor para a gente não disputar esse jogo. Assim, não temos gastos. Em vez da federação se preocupar com maus empresários, se preocupam com um clube que é pobre", desabafou Adelino, antes de ressaltar que o futebol não é o mais importante para o Jabaquara, e sim a recuperação do patrimônio. "É por isso que estou na presidência", finalizou o presidente.

O Jabaquara é o lanterna do Grupo F da Segunda Divisão do Campeonato Paulista, com apenas dois pontos conquistados em 11 confrontos. Ainda que a rodada final não tivesse sido cancelada e o Jabuca conseguisse sua primeira vitória no torneio, não teria chances de avançar à próxima fase.

Tudo sobre: