Santos oferece aulas gratuitas de capoeira inclusiva

Inscrições para participar do projeto abrem na próxima segunda-feira

Por: De A Tribuna On-line  -  30/01/19  -  09:50
  Foto: Natasha Guerrize / Unimes

A Universidade Metropolitana de Santos (Unimes) voltará a oferecer aulas do projeto comunitário "Capoeira Escola". As atividades são gratuitas e direcionadas tanto para crianças a partir dos três anos quanto para adultos, incluindo pessoas com deficiências visual, auditiva, motora e intelectual e jovens em situação de vulnerabilidade social.


As aulas de capoeira inclusiva serão realizadas todas as segundas-feiras, das 16h às 19h (de Brasília). Para se inscrever, basta manifestar interesse a partir da próxima segunda (4) através do email capoeiraescola@hotmail.com ou presencialmente, das 14h às 17h, no Campus Rosinha Viegas.


Os interessados devem apresentar atestado médico, uma foto 3x4 e cópias do documento de identidade (RG) e comprovante de residência.


Idealizador do projeto, o professor Márcio Rodrigues dos Santos é responsável pela cadeira de ‘Esporte Adaptado’ na Faculdade de Educação Física de Santos (FEFIS). Junto a um corpo de estudantes e ex-alunos voluntários da universidade, ele realiza um trabalho de inclusão de jovens no esporte.


"A capoeira beneficia em vários aspectos pessoas com Síndrome de Down, Paralisia Cerebral, Deficiências intelectual, motora, visual e auditiva, principalmente em valores sociais como simplicidade, amizade, amor e incluindo-os na sociedade, melhorando sua autoestima”, explicou o docente.


O projeto


Nos últimos dois anos, o projeto “Capoeira Escola” atendeu cerca de 100 pessoas com deficiência intelectual e 60 jovens com vulnerabilidade social, além de alunos do Grupo Amigo do Lar Pobre (GALP). O conteúdo programático envolve aulas teóricas sobre a história da capoeira, a musicalidade e a parte de movimentos, como o ataque, a esquiva e as acrobacias.


“Ensinamos tudo com uma linguagem e didática que respeitam a diferença biológica e social de cada aluno”, destacou o professor Márcio.


Logo A Tribuna