Santista Ironmãe bate recorde pessoal em prova no Havaí

Aos 40 anos, a triatleta completou a competição mais dura do gênero em 10h28min06s

Por: Régis Querino  -  08/11/18  -  12:15
Ironmãe fez sua melhor marca na prova mais difícil do mundo
Ironmãe fez sua melhor marca na prova mais difícil do mundo   Foto: Arquivo Pessoal

Costuma-se dizer que a primeira vez a gente nunca esquece, mas para Rosecler Costa, a terceira participação no Ironman Havaí ficou eternizada na sua galeria de conquistas. Aos 40 anos, a triatleta comemorou o melhor resultado pessoal na competição mais dura do gênero no mundo. Coincidentemente, na 40ª edição da prova disputada em outubro, em Kona, no arquipélago havaiano.


A popular Ironmãe completou a missão em 10h28min06s, cinco minutos mais rápida em relação à sua melhor marca. Isso depois de se recuperar de uma queimadura no rosto e no pescoço, provocada por uma água-viva na semana anterior à superprova.


“Usei um pouco da experiência que tenho na prova, que é muito desafiadora. Mentalmente você está mais preparado e fisicamente acaba se preparando melhor também”, diz Rosecler, que sofreu mais nos 42,195 km da corrida. “Choveu durante o pedal e o sol abriu demais na corrida. Veio o bafo do asfalto no pós-chuva e sofremos bastante”.


Numa competição duríssima como o Ironman, não importa a colocação, o objetivo é chegar. E a santista finalizou em 23º lugar na categoria 40 a 44 anos, entre 103 competidoras. “Fui a quinta brasileira a chegar, na contagem entre todas as categorias”, aponta a triatleta, patrocinada pela DP World e que também conta com o apoio da Team Wine, Ceepo, Mizuno, Zipp, Uvex, Derma fórmula, Quality Nutrition, Join Sports e Academia Esporte do Corpo.


Retomada


Após iniciar no triatlo aos 17 anos, Rosecler trocou o esporte pela vida de qualquer outro “mortal”: casamento, trabalho, filhos, compromissos... “Parei por dez anos, mas sempre tive vontade de fazer o Ironman. Foi quando eu voltei, em 2013, sempre visando fazer o Ironman e ir para o Havaí”, conta.


A determinação fez com que em 2015 ela realizasse o sonho de correr a tradicional prova de Kona, feito repetido no ano seguinte. Este ano, ela voltou ao arquipélago paradisíaco pela terceira vez, depois de se classificar à prova ao vencer, em dezembro de 2017, o Ironman de Mar Del Plata, na Argentina.


Emoção


A emoção de, aos 40 anos, participar da 40ª edição do Ironman Kona foi ainda maior, porque Rosecler contou, desta vez, com uma “torcida organizada” para acompanhá-la na viagem.


“Foi a primeira vez que consegui levar os meus filhos (Marcela, 11 anos, e Rogério, 9). Era um sonho deles conhecer o Havaí, ver a mãe competir. O Havaí era a Disney pra eles (risos)”, brinca Rosecler, enfatizando ainda a parceria do marido, Marcelo, que sempre incentivou sua carreira.


Logo A Tribuna