Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Morre Joreca, ícone do vôlei de Santos na década de 1960

João Roberto de Oliveira morreu aos 72 anos; atacante e bloqueador foi várias vezes campeão de Jogos Regionais e Abertos e campeonatos Paulista, Brasileiro e Sul-Americano

Por: Da Redação  -  19/02/21  -  10:28
Atualizado em 19/02/21 - 10:50
Joreca foi um bloqueador
Joreca foi um bloqueador   Foto: Reprodução

O time dos sonhos do vôlei do Santos Futebol Clube perdeu um de seus craques. Morreu aos 72 anos João Roberto de Oliveira, o Joreca. Ele começou a jogar no Internacional de Regatas, mas viveu o auge na Vila Belmiro. Na década de 1960, virou titular da era de ouro do vôlei santista, várias vezes campeão de Jogos Regionais e Abertos e campeonatos Paulista, Brasileiro e Sul-Americano.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Quem viu aquela equipe nunca esqueceu da qualidade daqueles jogadores: Paulo Russo, Negrelli, Sérgio Telles, Arlindo, Geradinho, Joreca, Marcus Mash, Leopoldo e Edilson.


“O Joreca era um grande atacante e um dos melhores bloqueadores com quem eu tive o prazer de jogar. Quem é do esporte sabe que um bom bloqueador não fecha o olho na hora que o adversário ataca. É só resgatar as fotos para ver o Joreca com os olhos bem abertos anulando os maiores atacantes do Brasil”, afirma Negrelli.


O levantador Geraldinho lamentou a morte do amigo. “A Cidade perde um grande atleta. Estivemos juntos em muitos títulos. Vai fazer muita falta”.


Bons tempos


Nas redes sociais, Marcus Mash, que jogou com Joreca, escreveu: “Mais um amigo e grande atleta foi embora. Quem o conheceu sabe a pessoa especial que ele era. Brincalhão, amigo e um excelente jogador. Quando reclamo da falta que o esporte faz para as novas gerações é porque só no esporte você faz amigos de uma forma mais fácil e mais honesta. Hoje fico pensando que tive a sorte de viver numa geração fantástica”.


Arlindo Pedro Junior, outro titular daquele timaço do Santos, lembra do primeiro contato. “Conheci o Joreca na seleção paulista em 1966, na seleção paulista juvenil, e fomos vice-campeões brasileiros. Depois ele saiu do Inter e veio para o Santos. Aí conquistamos vários títulos. Era fundamental para o grupo”.


Também na página do Facebook do ex-jogador Marcus Mash, o professor João Cláudio Alencastro Guimarães lembrou da versatilidade de Joreca: “Craque de vôlei e handebol. Jogou no Inter na geração que iniciou uma jornada vitoriosa. Várias gerações deram continuidade, sob o comando do professor Godofredo Casati. Que Deus o abençoe!”.


A morte de Joreca deixa um vazio no vôlei santista. A trajetória do atacante decisivo, do bloqueador implacável, do atleta perfeito e do amigo inesquecível chega ao fim.


Logo A Tribuna