Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Atletas de Guarujá levam ouro e prata de jiu-jitsu no Pan-Americano de 2021

As irmãs Gabriella, Raphaella, e a prima Esther, conseguiram as primeiras posições em suas faixas

Por: Por ATribuna.com.br  -  15/02/21  -  00:01
Torneio foi realizado no último fim de semana de janeiro
Torneio foi realizado no último fim de semana de janeiro   Foto: Divulgação/PMG

Três atletas de Guarujá conseguiram as primeiras colocações no Pan-Americano de 2021 de jiu-jitsu. Competindo na modalidade ‘Absoluto’, categoria que reúne praticantes de todos os pesos de uma determinada cor de faixa, a atleta Gabriella Neves conseguiu a medalha de ouro na faixa roxa, assim como Raphaella Neves, campeã na faixa azul. Além delas, Esther Santos competiu pela faixa azul e conseguiu a prata. O evento foi organizado pelo Sporting Jiu-jitsu South American Federation (SJJSAF), na Arena Olímpica da Juventude, na cidade de Deodoro (RJ), no último fim de semana de janeiro (30 e 31).


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Para Gabriella o momento é gratificante. “Estar estreando em uma nova faixa e categoria, e logo em seguida ver esse resultado, é importante para a minha motivação como atleta”, comenta. Já para Raphaella, que luta há oito anos, a experiência nessa edição foi diferente. “Além de ser meu primeiro campeonato no juvenil, esse ano tivemos uma ajuda de custo e trabalhamos na transmissão do evento. Com certeza foi inesquecível”, relata.


E o talento para o tatame vem de família, Gabriella e Raphaella são irmãs (18 e 16 anos respectivamente), e primas de Esther de 17 anos. As irmãs treinam na equipe Zenith Guarujá, com o mestre Eduardo Barbosa. Já Esther, treina na Qatar Jiu-jitsu, com o mestre Valdir Canuto. “Foi a minha primeira competição na faixa azul adulta, pois acabei de sair da (categoria) juvenil e vou continuar trabalhando para evoluir cada vez mais”, afirma Esther.


As atletas participam de um projeto social da Organização Não Governamental (ONG) ‘Lugar de Menina é no Tatame’, que tem por objetivo dar suporte aos atletas nas suas atividades esportivas. Os custos de viagem, alimentação e hospedagem nessa competição, por exemplo, foram subsidiados pela ONG.


Para o pai das irmãs Gabriella e Raphaella, Tárcito Neves, que também é conselheiro fiscal da ONG, o primeiro passo já foi dado. “Como pai, só consigo sentir orgulho. A nossa cidade possui uma grande vocação e talento esportivo, vamos lutar para potencializar isso”, ressalta.


Projeto


A ONG ‘Lugar de Menina é no Tatame’ visa tornar o universo do esporte e da arte um local mais acessível e com maior equidade, promovendo uma estrutura para que as pessoas assistidas pelo programa possuam uma gama maior de oportunidades e desenvolvimento profissional. A ONG pode ser conhecida pelo site, canal que, inclusive, transmite os torneios ao vivo.


Logo A Tribuna