Atleta de São Vicente é o brasileiro mais jovem a disputar o Mundial de Stand Up Paddle

Competição acontecerá entre os dias 23 de novembro e 2 de dezembro em Riyue Bay, na China

Por: Diego Palma  -  13/11/18  -  19:51
  Foto: Divulgação/CBSUP

Guilherme Cunha tem apenas 15 anos e vai representar a Baixada Santista no Mundial de Stand Up Paddle realizado em Riyue Bay, na China. Ele vai competir na sua categoria, a Pró-Júnior, e na Profissional, no dia 25 de novembro. O mundial de SUP é promovido pela Federação Internacional de Suf (ISA em Inglês) e acontecerá entre os dias 23 de novembro e 2 de dezembro.


A ida dele para a competição foi cravada na praia do Sapê, em Ubatuba, após conquistar o terceiro lugar na prova técnica do Circuito Brasileiro. Esse resultado o tornou o brasileiro mais jovem a representar o país em uma competição desse porte.


Em entrevista paraA Tribuna On-line, o atleta de São Vicente falou sobre a sensação de ir à China representar o Brasil mesmo com pouca idade. “Ah, é irado. Vai ser muito legal. Eu espero sair com um bom resultado nas duas categorias que vou competir. Vou de cabeça erguida. Estou treinando há muito tempo para o campeonato. Estou bem animado, vai ser uma bela experiência”, disse.


Por ter conseguído índice para a sua categoria e para a profissional, Guilherme terá a oportunidade de competir com a nata do Stand Up e enfrentar um novo tipo de competição. “Eu vejo muita dificuldade. Eles (os competidores) vão estar mais preparados. Para driblar isso, tenho que treinar muito e estar um pouco forte, que vai me ajudar na hora", completou.


Cerca de 16.800 quilômetros separam o Brasil da China. A viagem vai durar cerca de 30 horas por causa das paradas que o avião faz no meio do caminho. Questionado sobre como vai driblar esse problema, de passar mais de um dia voando, Guilherme responde de bom-humor “Tem que ter muita paciência para aguentar. Vou baixar todas as séries possíveis e colocar tudo em dia, até por que tem a volta também né”.


Missão China


Para chegar ao local do Mundial de Stand Up Paddle deste ano, Rogério Cunha, pai de Guilherme, contou que estão sendo feitas diversar ações para que a viagem do filho aconteça com conforto. "São R$12 milpara viajar à China. Estamos fazendo uma vaquinha online, já fizemos rifa e bingo também. Tudo para fazer com que o Guilherme possa viajar". Toda viagem implica em gastos com transporte, hospedagem e alimentação e a de Guilherme ainda traz um diferencial: o translado dos equipamentos.


Roégrio Cunha contou que esta parte da viagem é complicada, mas o filho conseguiu uma facilidade por causa de um patrocínio. "A logistica está sendo difícil pelo custo que é levar os equipamentos. Só que como ele (Guilherme) tem patrocinio de uma marca internacional, a gente só vai precisar levar remo. O resto vai ser dado pelo patrocinador".


Brasileiro fez sua primeira competição internacional aos 10 anos e não parou mais
Brasileiro fez sua primeira competição internacional aos 10 anos e não parou mais   Foto: Divulgação/CBSUP

Treinamento e rotina


A vida de Guilherme é extremante corrida. Além de fazer treinamentos diários de SUP, existem as aulas do colegial, do inglês e a outra modalidade que pratica, o judô, tudo isso de segunda a sexta-feira. Aos sábados, treinamentos apenas pela manhã, enquanto que domingo é o único dia de folga.


Quanto aos treinos, o jovem atleta explicou que existem exercícios dentro e fora d’água. "É tudo planejado pelo meu técnico. Ele me passa os treinos para fazer na água e fora dela, além do treinamento funcional. Geralmente, aos sábados, faço treinos em longas distâncias", completou.


Questionado se consegue viver com tudo isso, Guilherme responde brincando e atribui um papel especial a família. "Eu consigo cuidar de tudo de boa. Não tenho problemas. Meu pai sempre me apoiou muito e minha família também".


Juventude, mas experiência de gente grande


O início de Guilherme no Stand Up Paddle aconteceu quando ele tinha seis anos. Ele começou no surf, mas acabou se identificando mais com o SUP. "O estilo de competição dos surfistas favoreceu a minha mudança”. Com apenas 15 anos, o atleta já possuí oito títulos nacionais e várias competições no exterior em seu currículo.


“Com 10 anos ele começou a competir fora do Brasil. Disputou provas na California, Florida, Hangton Beach, Dana Point, Daytona Beach e agora na China, onde ele vai encarar o maior desafio dele. Vai disputar um campeonato com a nata do esporte na categoria dele (Junior) e na dos adultos (profissional)”, completou Rogério.


A última ida de Guilherme ao exterior, para competir, foi na California, nos Estados Unidos, para a disputa do Pacif Paddle Games. Ele ficou com o primeiro lugar na prova de longa distância e com o segundo na prova técnica. Ele disputou com atletas de 12 a 14 anos.


Projetando o futuro, Guilherme disse que quer viver do seu sonho. "Cara, eu penso em viver no esporte. Eu não aguento ficar sem competir. Eu gostaria de viver fora do país e ganhar um pouco de experiência".


Guilherme com a medalha do Pacif Paddle Games, na Califonia, Estados Unidos
Guilherme com a medalha do Pacif Paddle Games, na Califonia, Estados Unidos   Foto: Divulgação/CBSUP

Logo A Tribuna