EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

22 de Novembro de 2019

Treinadora luta para dar visibilidade e fomentar futebol feminino na região

Luana Paula é ex-preparadora física das Sereias da Vila e criadora do projeto Fut Delas

Primeira mulher a ter composto a comissão técnica das Sereias da Vila como preparadora física, a treinadora Luana Paula Silva, de 34 anos, almeja dar visibilidade e fomentar o futebol feminino na Baixada Santista. E isso não é só um desejo da educadora.

No esporte desde pequena, ela luta, através de seu trabalho, para proporcionar a jovens atletas oportunidades que ela e muitas outras mulheres não tiveram.

Luana é criadora do Fut Delas, um projeto que surgiu em 2016 visando formar jogadoras de futebol e fomentar a prática do esporte. Os treinos, comandados por ela e pelo professor Thiago Simões, são a base do programa. Eles são realizados às segundas, quartas e sextas-feiras no Brasil Futebol Clube, em Santos. 

Tanto meninas quanto mulheres podem participar das aulas, que exploram não somente a parte técnica da modalidade, mas também a tática e, por vezes, a teórica, por meio de palestras e outros eventos.

"O ideal do Fut Delas é, primeiramente, ser um local onde meninas e mulheres tenham acesso ao futebol, seja para aprender, desenvolver, aprimorar ou somente se condicionar. Temos esses eixos", contou a educadora física à Tribuna On-Line. 

"Nós temos planos ambiciosos de andar na contra mão. Enquanto muitos acham que futebol feminino não dá retorno, nó s acreditamos no contrário. Mulheres amam futebol tanto quanto homens", disse ela.

O projetoFut Delas conta com garotas de diversas idades (Foto: Divulgação / Arquivo Pessoal)

História 

Na infância, Luana desejava ser atleta de futebol e futsal. Esse objetivo a acompanhou durante a adolescência. Porém, devido a falta de uma base sólida de apoio e incentivo ao futebol feminino na região, o sonho de ser jogadora foi mandado para a lateral.

“Prometiam bolsas de estudos e outras coisas e esse dia nunca chegava. Eu já estava um pouco cansada de viver de promessas. Eu queria estudar e precisava trabalhar. Acabei seguindo caminhos diferentes, mas minha paixão pelo futebol permaneceu”, relatou a treinadora, que decidiu cursar Educação Física.

Sereias da Vila

Pouco tempo depois de formada, ela decidiu enviar um e-mail para Kleiton Lima, ex-Santos e seleção brasileira, idealizador do projeto Sereias da Vila e então treinador do time feminino do Peixe. Ela havia sido treinada pelo técnico quando era mais jovem, e o motivo do contato foi que ela percebeu que não existia um profissional para preparar fisicamente as jogadoras santistas.

“Ele me recebeu super bem. Me deu oportunidades e eu fiz um estágio nesse time. Sem remuneração, porque o Santos ainda não investia na equipe e era o patrocínio da Fupes que sustentava o time", comentou Luana.

"Para se ter uma ideia, nem campo elas tinham para treinar. O trabalho era feito na praia. As atletas eram muito guerreiras", recordou.

Em 2008, ela foi uma das cabeças por trás da ideia de montar a primeira escolinha de futebol feminino do Santos, fundada em parceria com o Portuários. Lá, ela ficou por um ano, até receber um convite para participar pontualmente de um campeonato no Chile com uma equipe dos Estados Unidos.

Retorno ao Santos

Amauri Nascimento, hoje coordenador do São Paulo feminino, contatou Luana quando o Santos voltou a ter um time feminino, extinto por um tempo. "Ele perguntou se eu queria voltar ao clube para ser preparadora física, aí eu abracei a ideia".

Luana recordou que foi a primeira mulher a ser preparadora física das Sereias. Ela, nessa ocasião, esteve no Peixe entre 2015 e 2016, quando foi demitida.

Volta por cima

“Depois das adversidades da vida, quando fui mandada embora, criei o Fut Delas. Era um sonho antigo meu de fundar uma escola de futebol feminino. Peguei as economias que eu tinha, uma amiga me ajudou também financeiramente, e coloquei o projeto em ação", contou.

Em um dos primeiros treinos, no entanto, ela acabou rompendo o ligamento durante uma interação com as alunas, jogando. "Foi aí que começou toda a luta. Quando as coisas estavam acontecendo, veio essa barreira para tentar me derrubar, e eu tive que ser mais forte”.

Na época, ela não contava com um plano de saúde para realizar cirurgia e, graças a uma mobilização pela internet, conseguiu o dinheiro para operar.

Por conta do problema no joelho, o projeto Fut Delas teve que ser interrompido. No entanto, ele foi retomado no início de 2018 e segue tendo êxito em seu propósito.

Tudo sobre: