EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

11 de Dezembro de 2018

Com 20 anos de basquete, Cauê não pensa em parar: "Ainda existem objetivos a cumprir"

Jogando desde os 16 anos, atleta santista coincide a carreira de jogador com a vida como treinador de basquete

Cauê Rico, técnico desportivo da Prefeitura de Santos, conseguiu completar uma marca que poucas pessoas conseguem no esporte: 20 anos dedicados ao basquete. Além de trabalhar como treinador nas categorias de base, o santista exerce também a função de atleta no time principal desde 1998 e não pretende parar tão cedo.

“Continuo porque tenho paixão pelo esporte e porque luto pelo basquete de Santos”, afirma.

A relação de Cauê com o basquete começou logo aos 5 anos, no clube Saldanha da Gama, em Santos. Depois, com 16, ele fez sua estreia no time adulto da Universidade Santa Cecília. “Comecei a treinar no time adulto por convite do diretor da época (Nóbrega). Foi uma experiência muito importante na minha carreira. Amadureci muito lá”.

Depois desse início, em 1998, ele acumula passagens pela equipe de Ponta Grossa, Guarujá, Brusque, Mackenzie (Minas Gerais), Casa Branca e Presidente Prudente.

Em entrevista para A Tribuna On-Line, Cauê contou que sua maior dificuldade na carreira foi a lesão no joelho há três anos.

“Precisei tirar o menisco por desgaste. Acho que para o atleta uma lesão é a pior coisa da carreira. Eu superei essa fase com muita determinação e acabou dando tudo certo”, relembrou.

Ainda existem desafios a cumprir

Com 36 anos e já seguindo a carreira fora das quadras, o natural seria pensar em parar de jogar e começar a planejar o futuro. Mas este não é o pensamento de Cauê. Para ele, ainda existem coisas para fazer no esporte e existe uma motivação especial para continuar atuando pelo time de Santos.

“Sei que está próxima minha aposentadoria, mas quero que meus filhos pequenos me vejam jogar. Também quero levar o basquete de Santos a elite do esporte e disputar o paulista de 2019”, revelou o jogador.

O jogador é pai de Yasmin, de 7 anos, e de Theo, de 5 anos.

Além de jogador, Cauê já exerce a função de treinador de basquete em Santos (foto: Arquivo Pessoal)

Com grande bagagem no esporte, Cauê se diz realizado com objetivos conquistados na carreira. “Com certeza conquistei os meus objetivos. Meu desafio sempre foi levar e manter o basquete de Santos em evidência. Aqui, conquistei 8 Jogos Abertos do Interior, 2 Jogos Abertos Brasileiros”.

Atualmente, o santista defende a equipe Santos-Memorial-Fupes.

Por causa da vasta experiência no basquete, o santista deixou recado para aqueles que sonham em viver do esporte da bola laranja.

“Meu conselho aos jovens é que se tornar profissional de basquete é difícil, mas não é impossível. Acredite sempre nos seus sonhos e não deixe que ninguém fale que você não pode fazer alguma coisa. Se dediquem muito e treinem muito”, completou.