Raquel Chini detalha planos para PG: 'Vamos dar continuidade a um planejamento que deu certo'

Candidata a prefeita em Praia Grande pelo PSDB é engenheira civil

Com a experiência de ter atuado em várias secretarias municipais, a engenheira civil Raquel Chini (PSDB), de 62 anos, se diz preparada para assumir a Prefeitura de Praia Grande e dar continuidade a um projeto iniciado pelo atual chefe do Executivo, Alberto Mourão (PSDB), em 1993, quando assumiu a Administração Municipal pela primeira vez. Ela pretende priorizar as ações na área da saúde, ampliar o número de câmeras de monitoramento e avançar nas obras de infraestrutura. Confira os principais trechos da entrevista:

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

Quais foram os principais que a senhora enfrentou durante esse período de campanha?

A campanha já representa um desafio. Na minha vida profissional, atuei na iniciativa privada e depois na área pública, nunca focada na política, sempre nos bastidores e dando retaguarda aos planos de governo, participando de secretarias e no planejamento da Cidade. Atuar na política é um grande desafio para mim. 

Após a divulgação do resultado do primeiro turno, a candidata citou algumas dificuldades para fazer a campanha. Como a senhora encarou essa situação? 

Nunca vimos isso na nossa cidade. Entrei nessa cidade quando não existiam ruas. Elas eram de areia e havia uma casinha aqui e outra ali. Ao longo desses anos, desenvolvemos a Cidade e fizemos campanhas, mas nunca fomos impedidos de entrar nos bairros como agora nesse período eleitoral. Nossa grande preocupação foi preservar a vida das pessoas, que queriam nos receber e abrigar reuniões nossas, mas ficamos com medo da gente entrar e ocorrer alguma retaliação com a família depois. A gente recuou, denunciamos esse problema às autoridades e somente na última semana conseguimos entrar nos bairros. Foi muita desigualdade, mesmo assim fomos ameaçados. Não vamos nos acuar, porque a Cidade é de todos nós. 

Quais ações estão sendo tomadas para a senhora sair vitoriosa nas urnas? 

Estamos entrando nos bairros, conversando com as pessoas, batendo de porta em porta e ouvindo a população. Praia Grande se desenvolveu muito, mas ainda temos muito a fazer. Estamos ouvindo a população para rever o que não está bom na área da saúde, na parte de infraestrutura e nos problemas maiores que exigem solução ambiental. Estamos incorporando as sugestões no nosso plano de governo. Neste segundo turno, as pessoas vão rever o seu voto e terão tempo de avaliar os dois candidatos. Não tem como não analisar quem é um e quem é outro. As pessoas que não votaram estão preocupadas e perceberam o que está acontecendo. Tenho certeza que o índice de abstenção será bem menor agora. 

Se eleita, qual será a sua prioridade número um? 

Após essa caminhada no primeiro turno e do que tenho visto, a minha prioridade será a saúde, focando muito na humanização do atendimento. Vamos entender o porquê as demandas não estão sendo ouvidas. Vamos ampliar o credenciamento de exames de especialidades para diminuir a fila de espera. Além disso, vamos ampliar os leitos do Hospital Irmã Dulce e contratar mais médicos. Estamos ouvindo as reivindicações para melhorar esse serviço. 

Como melhorar a fiscalização da qualidade do atendimento prestado pela organização social SPDM, que gerencia o Hospital Irmã Dulce? 

Vou atuar firmemente e pessoalmente. Todo o secretariado precisa estar imbuído de cuidar daquilo que é nosso. Vamos entrar em todos os equipamentos públicos e, principalmente no hospital. Vamos fiscalizar o contrato e cobrar providências, caso algo não esteja sendo cumprido. Há um boicote político. Claramente, a política está atuando muito forte na saúde para prejudicar a população e afetar a nossa candidatura.

Como atender o possível aumento de demanda por creches e escolas da rede municipal no próximo ano? 

A Prefeitura sempre atua com essa estatística de crescimento e, neste ano, por conta da pandemia de covid-19 e da perda de renda família, muitos saíram da escola particular para a pública. Isso já vem sendo trabalhado pela Secretaria de Educação e iremos seguir com esse planejamento. Vamos fazer o reforço dos alunos por meio do programa Ponte do Saber para que a gente possa detectar todas as crianças que tiveram dificuldade no ensino e não conseguiram acompanhar o aprendizado online para darmos um reforço no contraturno. 

Quais são os seus planos para garantir a formação continuada dos docentes? 

A gente trabalhou bastante nessa capacitação e vamos seguir investindo bastante para a capacitação dos servidores para que todos tenham oportunidade de crescer. Vamos fazer parcerias com as universidades e com a iniciativa privada para capacitar não só o funcionalismo, mas a nossa juventude por meio da ampliação das nossas escolas técnicas, dos cursos da Fatec e também cursos para que as pessoas possam gerar renda. Precisamos capacitar as pessoas para que possam repor os rendimentos perdidos durante a pandemia e para preparar melhor os jovens para o primeiro emprego. 

Como a candidata pretende avançar na área da segurança? 

Nosso projeto é ampliar o sistema de monitoramento para todos os bairros do lado de lá da pista (da Rodovia Padre Manuel da Nóbrega). Vamos ampliar as câmeras nas entradas dos bairros, que foi uma demanda apresentada pelos comerciantes. Vamos ampliar as rondas e aumentar o efetivo da GCM. Iremos cobrar do Governo do Estado a ampliação do efetivo de policiais na Cidade. 

Quais são os seus planos para os servidores públicos? 

Estamos ouvindo a categoria. Vamos continuar a preparar os planos de carreira. Esse ano não teve aumento por causa da legislação relacionada à pandemia de covid-19. Vamos enxugar os gastos para conseguir repor essa perda salarial do funcionalismo. Vamos fazer um estudo para aumentar o salário das atendentes da Educação e ouvir todos os segmentos para que a gente consiga entender as demandas e priorizá-las. Vamos criar um ambulatório médico para os servidores. 

Quais são os seus projetos para a antiga terceira zona residencial? 

A maior parte das nossas 77 escolas está nos bairros dessa região. Temos 30 Usafas (Unidades de Saúde da Família) e vamos construir mais quatro. Desse total, 20 estão nessa região. As poucas ruas que não são pavimentadas se devem a questões ambientais, mas vamos enfrentar isso para tentar levar todas as melhorias. Vamos terminar o nosso plano de canais para acabar com os alagamentos. Hoje, 82% do esgoto da Cidade é coletado e há um contrato já assinado com a Sabesp para chegarmos ao 100% no final de 2024. Vamos dar continuidade ao programa de cidade, a um planejamento que deu certo. 

A candidata planeja rever os itinerários e criar novas linhas no transporte coletivo? 

A gente precisa rever sempre e criar novas linhas, se isso for necessário. Para definir isso, precisaremos fazer uma pesquisa de origem-destino para ver o que está acontecendo em cada linha. Isso precisa ser acompanhado no dia a dia. Tenho falado para as pessoas que a Ouvidoria não é apenas para o munícipe fazer reclamações, mas para fazer sugestões. Ela é um termômetro para o poder público acompanhar o que está acontecendo nos serviços ofertados. 

Quais são os projetos estratégicos que irão exigir recursos federais e estaduais? 

Vamos lutar para que o Governo do Estado faça a sua parte. A gente defende a duplicação do Viaduto do S e a construção das passagens de nível nos bairros Caiçara, Princesa e Cidade da Criança sob a rodovia, como fizemos com recursos próprios onde está a Via Expressa Sul. Vamos cobrar que o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) venha de São Vicente até o Terminal Tude Bastos e ligar a Cidade até Mongaguá por meio de um grande corredor de ônibus. 

Se a candidata sair derrotada, a senhor pretende ajudar o futuro prefeito? 

Não vou sair derrotada desse pleito. Quando eu entro em uma disputa é para ganhar. Vamos ganhar, porque a população acordou. Ela está entendendo o que está ocorrendo, está do nosso lado, sabe do projeto que temos, de tudo que fizemos e que vamos fazer. Não estamos brincando e não estamos vendendo sonhos. Temos toda uma equipe trabalhando para o bem-estar da coletividade. Todas as pessoas terão uma participação muito efetiva no governo e todos serão ouvidos. 

Tudo sobre: