Nomes históricos do MDB de Santos veem sigla renascer

Eles creem em vitória para a Prefeitura com outro filiado tradicional ao partido, Banha

O trabalho de reconstrução do MDB santista, iniciado em setembro do ano passado sob a liderança do presidente municipal da sigla, o vereador Antonio Carlos Banha Joaquim (MDB), tem animado muitas figuras importantes da história do partido.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Nomes estratégicos nas gestões de dois ex-prefeitos da sigla – Oswaldo Justo (1984-1988) e João Paulo Papa (2005-2012) estão empenhados na campanha de Banha, que está na disputa pelo Executivo pela primeira vez, após seis mandatos seguidos na Câmara. 

Um deles é o jornalista Carlos Pinto, de 82 anos. Sem filiação partidária atualmente, após militar por anos no MDB, ele iniciou uma aproximação com Banha no mês passado e ajudou a formular as propostas de cultura do plano de governo do candidato. 

“Estou arregimentando todo o pessoal que era da época do Justo, inclusive alguns que estavam afastados, e levando para a campanha. Todo mundo está indo nesse embalo”, disse.

Com Justo, Pinto foi chefe de Gabinete e secretário de Abastecimento. Na gestão de Papa, comandou a pasta de Cultura. 

O engenheiro civil José Manuel Costa Alves explicou que esteve no MDB por muitos anos e ficou empolgado com a possibilidade de contribuir com a candidatura de uma figura histórica da agremiação.
Banha está no partido desde 1984, quando, aos 19 anos, foi cabo eleitoral de Justo. O vereador sempre disse que é um discípulo do ex-chefe do Executivo.

Na gestão de Justo, Costa Alves foi titular da pasta de Planejamento e superintendente técnico da Prodesan. No mandato de Papa, presidiu a Fundação Arquivo e Memória de Santos (Fams) e ocupou outros cargos na Administração, como a chefia do Departamento de Assuntos Metropolitanos.

“Programaticamente falando, eu não deixei de ser MDB. Vejo como natural a aproximação de muitas pessoas que contribuíram com os governos do Justo e do Papa”, justificou.

A Reportagem apurou que outros integrantes das gestões do MDB estão empenhados em eleger Banha, mas não divulgam tal preferência por terem ligação com outros partidos.

Bagagem política

Responsável pela legenda em Santos de 1985 a 1988 e atual presidente de honra da sigla, o advogado Écio Lescreck afirmou que poucos na Cidade têm a experiência política adquirida pelo vereador. 
“As coisas estavam muito estagnadas no MDB de Santos, e o Banha conseguiu fortalecer o partido ao assumir a presidência, em 2019”, comentou.

Secretário de Assuntos Jurídicos no governo Justo, Lescreck completou: “Ele (Banha) está recuperando a importância política que o partido teve, e isso vai ser demonstrado nas urnas neste ano”.

Tudo sobre: