Mourão é recebido com bombas, barricadas e fogo em caminhada na Vila Sônia, em Praia Grande

Prefeito participava de um ato da campanha de Raquel Chini (PSDB). Político acusa crime organizado de impedir atos da legenda em núcleos periféricos da Cidade

A intimidação imposta a candidatos do PSDB e partidos aliados nas comunidades carentes da região teve mais um capítulo, na manhã desta terça-feira (24). Barricadas foram armadas, fogo ateado e bombas caseiras lançadas em vias mais afastadas do Vila Sônia, em Praia Grande. O motivo: impedir uma caminhada organizada pela campanha da tucana Raquel Chini.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

Em imagens divulgada pelas redes sociais, e obtidas por ATribuna.com.br, é possível observar a ousadia dos praticantes do ato. Móveis velhos, entulho e lixo foram usados como barricadas a fim de evitar que a comitiva tucana percorresse pontos mais afastados do bairro praia-grandense. Suspeitos também tentaram intimidar a equipe com ataques verbais.

Nas imagens, o prefeito Alberto Mourão (PSDB) comenta a truculência. “Desde a hora em que cheguei (à Vila Sônia) fui bem recebido pela comunidade, mas mal recebido pelo tráfico de entorpecentes, por pessoas que apoiam o lado de lá, que não quer o desenvolvimento, não quer a paz dessas pessoas”, desabafou o chefe do Executivo praia-grandense, visivelmente abalado.

Apesar da forma como foi recebido no núcleo periférico, Mourão afirma não se renderá às intimidações. “Inaceitável que as pessoas se dobrem a isso, e não devem se dobrar. Onde estiver um canto (na cidade), eu vou (visitar). Não vou aceitar esse desaforo de bomba, de fogo nas ruas. Isso não vou aceitar”.

Apesar da truculência, a caminhada continuou pelas vias do bairro. "Nós não voltamos para trás, enfrrentamos o crime, as pessoas do mal, porque nós somos do bem. Somos aqueles que querem o desenvolvimento de Praia Grande. Vamos continuar caminhando (pelos núcleos da cidade) até o último dia. Praia Grande acima de tudo", declarou Mourão, ao final do ato no bairro.

Em nota, a candidata Raquel Chini repugnou "qualquer tipo de violência e reforçam que Praia Grande é uma cidade do bem". O comunicado acrescenta que "com o apoio da população e equipe, Mourão seguiu a caminhada, ao lado também de sua esposa".

Ameaças 

Essa não foi a primeira vez que a campanha tucana enfrenta ações truculentas nas comunidades periféricas de Praia Grande. Desde o primeiro turno, candidatos a vereador foram alvos de ameaçadas e proibidos de fazer campanha política em determinadas localidades.

Conforme apurado por ATribuna.com.br, os atos seriam uma retaliação de uma facção criminosa ao governador João Doria (PSDB), por conta de atuação das polícias nesses locais e pelo não atendimento de reivindicações em presídios. Em diversos locais da cidade, o crime organizado proibiu caminhadas de candidatos tucanos e moradores não podem manifestar apoio ou usar adesivos nos carros.

Tudo sobre: