IPAT sinaliza empate técnico entre Comin, Raquel e Cunha em Praia Grande

Os três concorrentes aparecem dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 3,8% para cima ou para baixo

No que se desenha ser uma das mais acirradas disputas na história pelo Palácio São Francisco de Assis, os candidatos Delegado Comin (Pode), Raquel Chini (PSDB) e Alexandre Cunha (Republicanos) aparecem tecnicamente empatados na corrida pela Prefeitura de Praia Grande. Os três pleiteantes estão no limite da margem de erro, conforme a primeira rodada de preferência do eleitorado praia-grandense, realizada pelo Instituto de Pesquisas A Tribuna (IPAT).

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Em sua estreia à corrida ao Executivo, o vereador Comin larga com ligeira vantagem numérica: ele obteve 12,9% das intenções de voto. E é seguido de perto por Raquel Chini, citada por 11,2% dos entrevistados. Atrás deles aparece o ex-vice prefeito, Cunha, com 7,4%; quase o mesmo índice daqueles que dizem que vão votar em branco ou nulo (8,8%).

Como a margem de erro é de 3,8% para baixo ou para cima, os três mais lembrados pelo recorte do eleitorado praia-grandense estão tecnicamente empatados quase no limite da margem de erro. Indecisos somaram 33,6% dos ouvidos e nenhum dos concorrentes na disputa, 15,3%.

O cientista político e coordenador do IPAT, Alcindo Gonçalves, avalia que o cenário está aberto em Praia Grande. “É de um empate triplo, em que os dois primeiros colocados aparecem com vantagem numérica sobre o terceiro colocado”, diz.

Gonçalves avalia, contudo, que a alta aprovação do atual mandato de Alberto Mourão pode ser um fator a favorecer a candidata tucana. “A eleição está aberta, até porque 85% não sabem ainda quem é o concorrente indicado pelo (prefeito Alberto) Mourão”, sintetiza.

No pelotão intermediário, Danilo Morgado (PSL) foi o quarto mais citado, obtendo 4,7% de intenção de votos. Já a vereadora Janaina Ballaris (PL) foi lembrada por 4,5% do eleitorado. Os dois aparecem empatados com Cunha, no terceiro posto, pelo critério de margem de erro da pesquisa. “Diferente das outras cidades da região, o resultado de Praia Grande mostra uma indefinição do eleitorado”, continua o coordenador do IPAT.

O resultado é do levantamento estimulado, quando um disco com os nomes de todos os postulantes é mostrado aos eleitores. O IPAT ouviu 600 eleitores de Praia Grande no dia 21 de setembro. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número SP 04550/202.

Três concorrentes estão embolados na ponta da baixo da disputa, todos com menos de um porcento de intenção de votos. São eles: Maurício Barbosa (PT), com 0,7%, Erika Pedrosa (PRTB), 0,5%, e Jasper Lopes (PSOL), 0,3%. Em comum entre eles, a baixa densidade eleitoral neste recorte da corrida eleitoral.  

Espontânea

A sondagem espontânea – aquela na qual o entrevistado cita qualquer nome – Raquel Chini foi a mais lembrada, com 5,8%. A tucana é seguida por Comin, com 3,3%. Cunha segue colado, registrando 2,3% da opinião do eleitorado. Danilo Morgado (1%) e Janaína Ballaris (0,9%) fecham a lista dos cinco mais citados nesse recorte.

Pesa a favor de Raquel o fato de 56,6% dos entrevistados afirmarem que o apoio do prefeito Alberto Mourão (PSDB) pode influenciar na escolha do próximo chefe do Executivo. Já outros 23,8% informaram que a indicação do atual mandatário não afetará na hora de declinar o voto. Contudo, 85% dos ouvidos disseram não saber quem foi o indicado pelo tucano.

Tudo sobre: