Descentralizar a Cultura, principal meta para candidatos em Guarujá

Dez postulantes disputam o Executivo nas próximas eleições

Dando sequência à série iniciada no último domingo (18), onde A Tribuna está ouvindo os candidatos a chefe do Executivo das nove cidades da Baixada Santista, para saber suas propostas para a área da Cultura, hoje destacamos o que os candidatos de Guarujá pretendem para a próxima gestão, em um dos setores mais atingidos pela pandemia.

>>> CLIQUE E CONFIRA AS PROPOSTAS DOS CANDIDATOS A PREFEITO DE GUARUJÁ

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Entre os dez candidatos que pleiteiam o cargo de prefeito em Guarujá, a descentralização das atividades culturais pelos bairros da Cidade é uma das promessas mais destacadas.

É o caso do candidato à reeleição, Válter Suman, que pretende criar um novo teatro, no distrito de Vicente de Carvalho. Edilson Magaiver é outro que enfatiza as ações de descentralização, com oficinas culturais nos bairros e eventos nas praças locais. Por conta do perfil de parte da população, ele, Dedé da Adélia e Miguel Calmon também têm a intenção de construir um Centro de Tradições Nordestinas na Cidade.

Valter Batista aposta na união com os integrantes dos movimentos culturais de Guarujá para atender as demandas do setor. Já André Guerato promete implantar Centros de Cidadania para oferecer cursos. Os recursos viriam da economia feita com o corte de servidores em cargos em comissão.

Luciana Salituri quer cadastro e capacitação para profissionais da área e parceria com a iniciativa privada e associações de bairro. Rodrigo Barboza pretende promover festivais de música e artes para estimular artistas locais.

Já Sérgio Zagarino quer criar uma cultura inclusiva e de preservação. Giovani Vassopoli foca em ações que incentivam a cultura como oferecer teatro em escolas e realização de festival de música.

Tudo sobre: