Contra ‘fake news’, TSE amplia parceria com redes sociais

Objetivo é facilitar a busca do eleitor por informações oficiais e conteúdo de utilidade pública para as eleições

Para conter a onda de ‘fake news’ - que invade as redes sociais em época de eleição -, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou uma parceria com as gigantes da internet. O acordo envolve plataformas como Facebook, Google, Instagram, Twitter, Conexis Brasil Digital, Tik Tok e o WhatsApp para combater a desinformação e abusos durante as eleições deste ano. 

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

A parceria atende uma série de medidas do TSE para favorecer a circulação de informações oficiais sobre o processo eleitoral. As plataformas ofereceram produtos e serviços, sem custo aos cofres públicos. 

O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, afirmou que as plataformas devem fazer valer suas regras de conteúdo para evitar o uso abusivo dos serviços. Ele explica que a vantagem da parceria é reduzir a incidência de notícias falsas, enfrentar os comportamentos inautênticos, uso indevido de robôs, impulsionamento ilegais e uso de perfiis falsos que espalham Fake News. 

Google 

A parceria do TSE com as plataformas do Google tem como objetivo oferecer respostas às dúvidas frequentes. A lista conta com dicas de como tirar o título de eleitor, votar em um ano de pandemia, além dos cuidados sanitários que devem ser adotados para uma eleição segura. 

WhatsApp 

O acordo com o WhatsApp prevê a criação de um formulário para denunciar contas suspeitas de realizar disparos em massa. Esse tipo de publicidade foi usada em larga escala durante a corrida eleitoral de 2018. 

Pelo acordo, ao receber um denúncias, o WhatsApp conduzirá uma apuração interna para verificar se as contas indicadas violaram os termos de serviço e políticas do aplicativo sobre disparo em massa e os serviços de mensagens automáticas. As contas identificadas podem ser suspensas da rede social. O canal será desativado no dia 19 de dezembro, com o fim do processo eleitoral deste ano. 

Facebook 

A parceria com o Facebook prevê a disponibilização da ferramenta “Megafone” para divulgação, nos dias anteriores à eleição, de mensagens aos usuários brasileiros sobre as eleições de 2020, especialmente acerca da organização e das medidas de segurança sanitária no dia da votação. 

Instagram 

A plataforma vai se aliar ao TSE para divulgação da campanha sobre mais mulheres na política. Os usuários também vão contar com stickers com a temática das eleições municipais. 

Twitter 

Com essa rede social, o acordo prevê a divulgação da página do TSE quando termos relacionados a eleição forem pesquisados no Twitter. A plataforma também vai apoiar a divulgação de serviços para o eleitor produzidos pela conta do TSE pelo perfil do @TwitterBrasil. 

Conexis Brasil Digital 

Representante do setor de telecomunicações no Brasil, a Conexis Brasil Digital viabilizou o benefício do zero rating para o portal da Justiça Eleitoral, que concentra serviços e informações essenciais para o eleitorado brasileiro.  

Com isso, os clientes das principais operadoras (Claro, Oi, TIM Brasil, VIVO e Algar Telecom) não terão desconto na franquia de internet ao acessar o portal da Justiça Eleitoral. Essa regra vale até o fim de novembro de 2020.  

Tik Tok 

O Tik Tok criou uma página para centralizar informações confiáveis sobre as Eleições Municipais de 2020. Também forneceu capacitação à equipe de Comunicação do TSE sobre a melhor utilização da plataforma, dando todo o suporte necessário para a produção de vídeos na linguagem ideal para os usuários da rede. 

Tudo sobre: