Sem remédio eficaz, médicos seguem no combate à Covid-19

Dia deles, comemorado neste domingo, marca a importância dos profissionais durante a pandemia

O trabalho não para. No Dia do Médico, neste domingo (18), muitos deles estão de plantão. Os pacientes continuam a chegar, embora em menor número, e a covid-19 ainda não tem remédio eficaz. O médico intensivista Marco Cavalhero, de 56 anos, coordenador da UTI adulto do Hospital São Lucas, em Santos, ressalta o desafio de organizar o atendimento sem protocolos definidos e sem conhecer a evolução da doença.  

Com a experiência em tratamento de pacientes graves, ele afirma que lidar com a covid-19 é diferente. “A doença é de difícil prognóstico, por não conhecermos ao certo sua fisiopatologia. Isso, emocionalmente, causa angústia, sensação de impotência e depressão, diante dos casos. Lidar com a ansiedade e pânico dos familiares e do paciente, que ficam separados devido ao isolamento, tem sido muito difícil emocionalmente”.  

Apesar do desgaste, o número maior de pacientes curados motiva Cavalhero, que reafirma o amor pela profissão. “É saber que posso fazer a diferença a um indivíduo que esteja doente, dando a ele a chance de recuperação e alívio ao algum sofrimento que possa estar passando. Faço isso de coração”. 

Cuidado com as crianças 

A pediatra Maria Heloiza Torres Ventura, coordenadora do setor de Pediatria do Ponto Atendimento da Unimed Santos, acompanhou crianças que ficaram internadas por causa da covid-19, ainda que em número muito inferior ao de adultos. Segundo ela, a pandemia fez com que as famílias ficassem abaladas, ampliando o papel do médico.  

A pediatra Maria Heloiza Torres Ventura, do Pronto Atendimento da Unimed (Foto: Divulgação)

 

 

“Precisamos aprender a lidar com a parte de saúde mental, quadro de crianças ansiosas, separadas de seus avós, que viveram o luto sem despedidas de parentes mais velhos. Crianças fora da escola, que viveram o isolamento de uma maneira intensa”, diz ela, explicando que aumentaram casos de acidentes domésticos envolvendo crianças.  

“Ser médica é uma possibilidade de ter várias famílias, principalmente na minha área. É recompensador participar crescimento saudável de um ser humano. Jamais me arrependi da minha escolha. Meu pai é médico, sempre sonhei em ser como ele. Hoje sou”. 

 

Tudo sobre: