Wilson Cardoso destaca avanços na transparência da Câmara de São Vicente

Presidente reeleito do Legislativo vicentino faz balanço do primeiro biênio e cita melhoras dentro da Casa durante sua gestão

Por: Bruno Gutierrez  -  27/12/18  -  09:36

Primeiro presidente da Câmara de São Vicente oriundo da Área Continental, Wilson Cardoso (PSB) foi reeleito para mais um biênio à frente da Mesa Diretora do Legislativo. Aos 35 anos e ainda em seu primeiro mandato, o parlamentar foi eleito com a bandeira da transparência.


Após passar por uma reeleição conturbada, onde colocou seu nome à disposição apenas na véspera da votação, o pessebista fez um balanço sobre o primeiro biênio à frente da Casa e falou da perspectiva para os próximos dois anos.


Cardoso destaca a transparência, a luta para cumprir com todos os apontamentos feitos pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) e pede que, após o fim da eleição da Mesa Diretora, a Câmara permaneça unida para que a Casa consiga o melhor para São Vicente.


Wilson Cardoso foi reeleito para mais um mandato à frente da Câmara de São Vicente
Wilson Cardoso foi reeleito para mais um mandato à frente da Câmara de São Vicente   Foto: Irandy Ribas/AT

AT - Qual o balanço que o senhor faz desse primeiro biênio à frente da Câmara de São Vicente?


Wilson Cardoso - Trabalhamos bastante na correção dos apontamentos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Até mesmo para que a gente tenha as contas aprovadas. Nós conseguimos corrigir mais de 90%. Foi um grande avanço. Outras bandeiras foram a transparência e a gestão com o dinheiro público. As maiores evoluções da Câmara de São Vicente, em toda sua história, foram na minha gestão. Neste biênio 2017-2018. Então, é algo positivo para a gente, para a cidade, para o Poder Legislativo e, acima de tudo, para o cidadão vicentino, que está vendo que a Câmara tem feito gestão com responsabilidade em relação ao dinheiro público.


AT - O que ainda falta ser feito em relação aos apontamentos do TCE?


Cardoso - Faltam alguns detalhes. Uma mini reforma administrativa. A questão de cargos, gratificações. Existem coisas a serem feitas. O AVCB do prédio também avançamos bastante. É algo que não é fácil, porque o prédio tem 33 anos. Então, há muitas mudanças a serem feitas. Mas é algo que eu quero também, em 2019, no primeiro semestre, finalizar esse processo e ter o AVCB. E também fazer uma reforma administrativa, para que possamos corrigir algumas questões em determinados cargos dentro da estrutura administrativa da Câmara.


AT - O que se avançou em relação à tranparência na Câmara de São Vicente?


Cardoso - A Lei de Acesso à Informação, a Ouvidoria. Nosso site ainda precisa de adequações, estamos corrigindo. Nós licitamos o sistema. Depois de 20 anos, uma empresa que estava na Câmara saiu e entrou uma nova, moderna, que está no Estado de São Paulo inteiro. Temos avançado muito, e ainda virão muitas coisas. Aplicativos, tecnologia para que o munícipe possa interagir da sua casa, do seu smartphone. Mas, lógico, que quando o munícipe vai até o Poder Legislativo e ouve o vereador ou assiste a uma sessão, é muito melhor. Quero fazer o convite para que a população vicentina possa participar cada vez mais das sessões da Câmara Municipal.


AT - Uma das bandeiras era trazer a população para dentro da Câmara, aproximar as pessoas. Uma das ações foi a mudança no horário das sessões. Quais foram as outras medidas neste sentido?


Cardoso - Temos discutido a questão das sessões itinerantes, para que possamos ir até o munícipe ouvir suas reclamações, suas demandas e seus elogios.


AT - Seria como?


Cardoso - Uma vez por mês, a Câmara Municipal iria a determinado bairro.


AT - Outro ponto que a Câmara investiu foi nas redes sociais. Publicizou a ordem do dia e outras ações da Câmara. O que mais pode se avançar nessa área?


Cardoso - Em 2017, nós assinamos um Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público para tratar da transparência. Tudo que tem acontecido da LAI, da Ouvidoria, das redes sociais. A divulgação da ordem do dia com antecedência, para que o munícipe possa ir lá e pesquisar, ver as leis que interessam a ele, que mudam a vida dele e da Cidade. Outra coisa que estamos estudando é a transmissão das sessões em tempo real. Já tem um processo. Acredito que nós consigamos avançar no primeiro semestre, para que o munícipe possa assistir, em tempo real, as sessões. Do seu telefone, da sua casa.


Segundo Wilson Cardoso, 90% dos apontamentos do TCE foram cumpridos
Segundo Wilson Cardoso, 90% dos apontamentos do TCE foram cumpridos   Foto: Alberto Marques/AT

AT - Como foi a relação com o Executivo nesse primeiro biênio, e qual a perspectiva para os próximos dois anos?


Cardoso - Somos poderes independentes, porém, harmônicos entre si. Nós pegamos a cidade de São Vicente totalmente destruída. Não teria como ter uma divisão ou pensar individualmente. Tínhamos que pensar no coletivo, e assim fizemos. Ajudamos o Executivo, fizemos sessões extraordinárias, divulgamos, conversamos. Eu gosto muito do diálogo. Conseguimos manter a Câmara coesa por causa do diálogo. Tiveram projetos que ficaram três meses parados na Câmara, até buscar um consenso. Não levei a plenário enquanto não houve um consenso. O prefeito também teve a sensibilidade de voltar atrás em projetos, corrigir, de vereador acrescentar emenda, mudar artigo, inciso, para que a gente buscasse o consenso. Nossa bandeira é a bandeira de São Vicente. Não tem que pensar nem A ou B. Tem que pensar na cidade. E assim, vamos continuar fazendo. Somos poderes independentes. Vamos ajudar o Executivo naquilo que for de interesse do cidadão vicentino. Quanto a isso, não há dúvida. Não podemos deixar a questão político-partidária contaminar esse tipo de discussão.


AT - Como se deu a sua reeleição para a presidência da Câmara de São Vicente?


Cardoso - O parlamento é a arte do diálogo, da conversa, de articular. Lancei minha candidatura um dia antes. Não era candidato à reeleição. Queria dar novos voos, tinha novos projetos para minha vida. Mas, até mesmo pelo movimento que houve dentro da Câmara para que eu fosse reeleito, eu comecei a reavaliar. Lancei a candidatura um dia antes, conversei com o pessoal, tentamos buscar o consenso para que não houvesse divisão dos grupos. Com a conversa, com o diálogo, nós conseguimos trazer mais sete votos e eu ser reeleito. O outro grupo teve sete votos. Mas, assim, acabou a eleição, acabou a disputa, acabaram as brigas. Agora, temos que pensar na cidade.


AT - Qual deve ser o foco da Câmara nesses próximos dois anos?


Cardoso - Continuar ajudando a cidade, continuar fiscalizando, continuar a fazer essas mudanças administrativas, para que a gente possa ter, cada vez mais, economia e responsabilidade. Corrigir os apontamentos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, para que eu também tenha as contas aprovadas. É algo positivo, não só para mim, como para o Poder Legislativo. Demonstra responsabilidade, que você está respeitando as leis que você cria dentro da Câmara, e também a nossa Constituição. Vamos continuar trabalhando nesse sentido.


Eu, como vereador, vou continuar trabalhando, buscando projetos para a cidade, para a região continental, para que a gente possa crescer e avançar. Sabemos que os nossos desafios são enormes, mas não podemos parar. Temos que continuar. A população, o eleitor brasileiro tem demonstrado, nessas últimas eleições, que não quer mais aquele político que se esconde, que aparece só na época da eleição. Quer o político que tenha responsabilidade, e que faça o enfrentamento. Que não tenha medo de fazer esse enfrentamento. Político que não tem coragem tem que mudar de profissão, porque sabemos que os desafios são enormes. Não tem como você ser vereador, prefeito, governador ou deputado sem desafios. Avançamos muito, mas ainda temos muito a avançar. Não vamos parar, não vamos abaixar a cabeça. É para a frente que se anda.


Logo A Tribuna