Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Guarda Ambiental de São Vicente resgata cães em situação de maus-tratos na Náutica III

Outros dois cachorros estavam mortos. Responsável pelo crime foi preso

Por: Por ATribuna.com.br  -  05/02/21  -  19:02
Animais foram resgatados e encaminhados para uma clínica
Animais foram resgatados e encaminhados para uma clínica   Foto: Cássio Moraes/Assessoria Gustavo Palmieri

Dois cães adultos (um macho e uma fêmea) e três filhotes, em péssimas condições de higiene, foram resgatados pela Guarda Civil Ambiental em umaresidência na Náutica III, em São Vicente. Segundo a corporação, outros dois cachorros foram encontrados mortos no local. Um deles estava enrolado em um saco plástico, na churrasqueira, em estado de decomposição.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A equipe da Guarda Civil Ambiental atendeu à denúncia feita pela proprietária do imóvel, que estava alugado por um servidor público municipal. Na segunda-feira (1), os agentes estiveram no local, mas não encontraram o morador. A equipe conseguiu fotografar e filmar o local onde os cachorros estavam e foi constatado que estava completamente insalubre, além de os cães estarem muito magros.


No dia seguinte, a GCM Ambiental enviou uma equipe para realizar a retirada dos animais, o qual foi feita com mandado judicial. Também estiverem no local o secretário-adjunto da Secretaria de Meio-Ambiente, um veterinário credenciado, a Polícia Militar, além da equipe do Castramóvel, onde o veterinário atestou que os cães se encontrava em situação de risco.


Os cinco cães resgatados foram encaminhados para uma clínica veterinária, credenciada e, após avaliação, foram levados para o Departamento de Controle de Zoonoses de São Vicente. Também foi solicitado apoio da Polícia Militar Ambiental para procedimentos administrativos.


Localizado, o responsável foi autuado por crime de maus-tratos, conforme a lei 9.605, artigo 32. Ele foi detido e pode pegar pena de dois a cinco anos de reclusão e, por ser um agente público, o dolo pode ser dobrado.


De acordo com a denunciante, ela tentou por inúmeras vezes, durante quatro meses, que alguém fosse ao local para tomar providências, mas sem sucesso.


Logo A Tribuna