Vereadores da Baixada Santista pedem retorno da Justiça Restaurativa

Projeto foi suspenso em Santos durante a pandemia. Tema será debatido em live do Grupo Tribuna, na tarde desta terça-feira

A União de Vereadores da Baixada Santista (Uvebs) pede a retomada no programa de Justiça Restaurativa em Santos. O modelo de solução de conflitos, por meio da restauração do dano causado no ambiente escolar, foi suspenso pela prefeitura de Santos devido à escalada da Covid-19. O mecanismo de cultura de paz na rede de ensino santista foi tema uma live do Grupo Tribuna, nesta terça-feira.

Segundo o presidente em exercício da Uvebs, Pedro Garofalo, a pausa no programa num momento tão delicado pode ser prejudicial aos estudantes. “Não podemos ficar sem a Justiça Restaurativa nesse momento. Trata-se de uma suspensão arbitrária. Afinal, este programa foi instituído por lei municipal e já é uma política pública na Cidade”, lembra o político.  

Para ele, o momento é delicado para a educação, envolvendo pais e professores, com aulas online, em um modelo ainda a ser acertado. “Todos tiveram que se reinventar. Os professores gravam vídeos, sem terem sido treinados para isso. Os pais precisam trabalhar de casa e ajudar os filhos nos estudos. Tudo isso gera conflitos e sem a Justiça Restaurativa, como solucionaremos?”.  

O presidente em exercício da entidade destaca ainda outras aplicações da Justiça Restaurativa, que estava em tratativas para expansão metropolitana. “A Uvebs defende este projeto, pois entende que esta forma de solução de conflitos é extremamente eficaz. Levamos o modelo para as nove cidades da Baixada, porque entendemos que para mudar uma cultura, é preciso expandir o programa. E não somente geograficamente. Nossa ideia é levar esse tipo de solução para os condomínios, onde há conflitos entre os vizinhos, buscando a cultura de paz entre os moradores”.  

Ele faz um apelo para que o programa volte a ser trabalhado. “Não é possível que não enxerguem o quanto esta política pública é importante hoje e para o futuro. É de alta prioridade que a Justiça Restaurativa seja retomada em Santos. E nós vamos seguir trabalhando para ampliar essa iniciativa em toda a Baixada”, finalizou.  

Live  

O programa de Justiça Restaurativa foi tema de uma live do Grupo Tribuna, a partir das 15h desta terça-feira (11). Apresentada pela editora chefe do jornal A Tribuna, o encontro virtual contou com a presença da juíza titular do Núcleo de Justiça Restaurativa do Judiciário de Santos, Renata Gusmão, e a psicóloga e diretora do Laboratório de Convivência, Mônica Mumme. A transmissão foi pelo Facebook do Grupo Tribuna

Tudo sobre: