Um dia após incêndio, padaria centenária reabre e avalia danos em Santos

Segundo gerência da Nova Seara, equipamentos perdidos não afetam funcionamento do local, que passará por avaliação da seguradora na próxima semana

Após o incêndio que atingiu a Padaria Nova Seara, na Vila Mathias, em Santos, no fim da tarde de sexta-feira (17), o proprietário e os funcionários seguem avaliando os danos. O fogo, no entanto, não interrompeu o funcionamento da panificadora, que está em atividade há mais de 100 anos. Jerônimo Almeida Ferreira, proprietário do estabelecimento, esteve neste sábado (18) no local, conversou com funcionários e clientes. 

Segundo o gerente do local, que estava na hora do ocorrido, Guilherme Henrique, ainda não é possível saber o que exatamente causou o incêndio. O que se sabe, até o momento, é que uma fritadeira industrial, de cerca de 1 metro de altura, pegou fogo numa das cozinhas internas da padaria. 

No momento, por volta das 17 horas da sexta-feira, trabalhavam no local cerca de 15 funcionários. Ninguém estava próximo da fritadeira quando o incêndio começou. Todos tentaram apagar o fogo. "Usamos os extintores e tentamos abafar o fogo, mas ele voltava. Então, desligamos a força, as ligações de gás enquanto já acionávamos os bombeiros", explicou Henrique.

Ninguém ficou ferido e a padaria não precisou ficar fechada. Na manhã deste sábado, foi o momento de fazer um saldo do que houve. "Foi mais o susto, graças a Deus. Tivemos alguns equipamentos, como fritadeira e coifa, por causa do calor. Essa cozinha nós perdemos, junto a alguns documentos de estoque do andar de cima, mas nenhum arquivo relevante ou importante e pouca coisa", disse o gerente.

Segundo o gerente, o local, que possui seguro, será avaliado nos próximos dias. "Ainda não é possível estimar perdas porque a seguradora precisa fazer um levantamento do que foi perdido, o que será restaurado", diz ele.

A Padaria Nova Seara funciona na esquinda das avenidas Rangel Pestana e Senador Feijó, na Vila Mathias. O espaço funciona há mais de 100 anos e os donos se orgulham porque é um espaço que nunca fecha. "Feriado, natal, ano novo, estamos sempre aqui abertos", diz o gerente.

Neste sábado, ficou só o alívio, após o susto de ontem. Guilherme Henrique foi quem teve que correr para a delegacia, enquanto preocupava-se também em desmentir notícias sobre o que realmente teria acontecido. Agora, é bola para frente, segundo ele. "Claro que abala, mas seguimos fortes. Vamos avaliar o que foi perdido, mas nos recuperamos com certeza porque os danos já estão se mostrando muito menores do que achávamos. E seguimos sem fechar, que é o mais importante".

Tudo sobre: