EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

17 de Julho de 2019

Sob preocupação, Instituto de Pesca completa 50 anos

Pioneiro, é alvo do temor de instituições sobre possível fusão

O Instituto de Pesca (IP), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, completa 50 anos nesta segunda-feira (8). Criado em 1969, o IP foi a primeira instituição brasileira voltada ao estudo de ecossistemas aquáticos e à biologia de organismos marinhos e continentais. O aniversário chega, porém, em meio à preocupação de que mudanças estruturais possam prejudicar o trabalho.

Com quatro centros de pesquisa, unidades nas principais regiões produtoras de pescado no estado e a gerência do Museu de Pesca, em Santos, o IP colabora com informações técnicas para subsidiar políticas públicas que fortaleçam pescadores e aquicultores.

Erika Fabiane Furlan é diretora técnica de Serviço na Unidade Laboratorial de Tecnologia do Pescado, sediada no Centro de Pesquisa do Pescado Marinho, em Santos.

Dentre as atividades da unidade – da aproximação acadêmica com problemas do setor à segurança alimentar –, o desenvolvimento de técnicas de separação para melhor aproveitamento de pescados é um dos destaques citados por ela.

Segundo Érika, a técnica proporciona melhor aproveitamento do pescado e produto final com maior qualidade. “O resultado é como se fosse uma carne moída, não uma pasta. Com isso, o produto pode ser mais bem aproveitado de várias formas, inclusive, sendo matéria-prima para a culinária asiática”.

Erika explica, ainda, que há um trabalho intenso também no sentido de estimular o consumo de pescado. Para isso, além de informações sobre os benefícios nutricionais, materiais são produzidos com receitas utilizando o alimento, inclusive com o aproveitamento integral dele.

Sinal de alerta

Apesar das comemorações do aniversário, há uma apreensão. No sábado (6), a coluna Dia a Dia revelou que uma carta assinada por 33 entidades ligadas à comunidade científica, sindicatos e uma colônia de pescadores revela a preocupação com a possível fusão da entidade com o Instituto de Zootecnia do Estado.

Segundo a carta, a aproximação dos institutos é apenas “aparente, já que a pesca e a aquicultura apresentam especificidades que as afastam de outras formas de produção animal”.

Em resposta, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado afirma que nada foi definido sobre uma possível fusão.

“Toda e qualquer mudança será pensada e discutida envolvendo os atores”, afirmou a pasta. A secretaria assegura que tem foco em ciência, tecnologia e inovação, a fim de agregar valor aos produtos paulistas.