EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

24 de Fevereiro de 2020

Santos usará drone para flagrar criadouros de mosquito da dengue; vídeo

Equipamento será utilizado para verificar áreas de difícil acesso, imóveis abandonados ou fechados e até checar denúncias de moradores

A partir de agora, a Prefeitura de Santos utilizará um drone na caça a focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana. O equipamento será utilizado para verificar áreas de difícil acesso, imóveis abandonados ou fechados e até checar denúncias de moradores. Tudo para evitar o surgimento de mais casos dessas doenças no município.

O plano de voo foi autorizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), do Ministério da Defesa. As operações começaram nesta sexta-feira (14). Foi vistoriado o entorno da Passarela do Samba Dráuzio da Cruz, na Zona Noroeste.

“Estamos sempre buscando novas tecnologias no combate à dengue e demais doenças. Já temos sistema de armadilhas de captura que ajudam no monitoramento, e agora veio o drone reforçar os trabalhos”, informou o secretário municipal de Saúde, Fábio Ferraz.

Mais agilidade

Com a nova ferramenta, que custou R$ 12.226, será possível ao município agilizar vistorias de agentes e, se for o caso, fazer notificações, aplicar multas e até executar o ingresso forçado, quando houver recusa ou impossibilidade de entrada em residências e estabelecimentos, conforme prevê a legislação santista.

“Isso torna o trabalho das equipes mais eficiente, porque já haverá a comprovação da necessidade do ingresso naquele local ou até para notificações ou multas, caso haja recusa”, acrescenta o secretário.

De acordo com o município, as denúncias sobre imóveis com criadouros podem ser feitas à Ouvidoria, pelo telefone 162, ou pela internet. Pode-se, ainda, ir à prefeitura (Praça Mauá, s/nº), de segunda a sexta, das 8h às 18h.

Detalhes

O equipamento conta com câmera de alta resolução que emite, em tempo real, imagens para monitorar situações que ofereçam risco em áreas públicas e imóveis.

Vale lembrar que, em 2019, foram confirmados 148 casos de dengue, 11 de chikungunya e um de zika na cidade. Este ano, já foram confirmados somente sete casos de dengue.

Tudo sobre: