Santos prevê R$ 1 milhão em gastos para a 1ª fase da vacinação contra a Covid-19

Secretário de Saúde de Santos conta que plano de imunização foi organizado para prevenir falta de profissionais e aglomeração

Com as expectativas em alta para que a vacinação contra a Covid-19 comece no dia 25 de janeiro, Santos prepara o plano de imunização, com o cadastro de idosos acamados e a preparação logística enquanto a vacina ainda não chega. Em entrevista para o podcast Baixada em Pauta, do G1 Santos, o Secretário de Saúde Adriano Catapreta conta que a previsão de gastos nessa primeira fase será de R$ 1 milhão. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Para garantir que o município atenda a demanda, Catapreta conta que foram separados dez carros para fazer a distribuição. Também será implementado um centro de distribuição da vacina, localizado na Arena Santos e contará com segurança 24h. Além disso, a cidade está contratando novos profissionais da saúde  para atender a demanda. "Santos está totalmente preparada, pois contratou pessoal para isso. Fez agora um processo seletivo onde teve mais de 5 mil pessoas cadastradas para 179 vagas - 31 enfermeiros e 148  técnicos de enfermagem. Essas pessoas passarão por entrevistas, depois por um treinamento". 

Nessa primeira fase, o município pretende vacinar cerca de 105 mil pessoas, dentre profissionais de saúde e idosos. "Nós começaremos a vacinação no dia 25 com todos os profissionais da saúde de Santos. Depois, no dia 8 de fevereiro, iniciaremos a vacinação nos nossos idosos e acamados. Serão mais ou menos 500 acamados. As pessoas que não foram previamente cadastradas no nosso programa de atendimento domiciliar deverão se cadastrar nas nossas policlínicas e os idosos acima dos 76 anos serão vacinados também à partir de oito de fevereiro", explica o Secretário de Saúde. 

Adriano Catapreta assumiu a Secretaria de Saúde em janeiro deste ano (Foto: Divulgação/Secom)

Coronavac 

A Vacina Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, é feita com um vírus inativado do novo coronavírus.

A aplicação é feita em duas doses, com intervalo de 21 dias e, obrigatoriamente, a segunda dose deve ser do mesmo tipo da primeira.

"As pessoas tem que seguir o nosso cronograma, acreditar no cronograma. Infelizmente não temos em um primeiro instante vacina para todas as pessoas. É preciso a compreensão de todos. Todo mundo quer se vacinar, a maioria quer se vacinar, e a gente vai ter que esperar a chegada dessas vacinas. Esse procedimento de fazer por fases está sendo um procedimento muito bem estudado, muito consciente, os nossos idosos realmente precisam mais da vacina do que as pessoas mais novas", completa o secretário.

Idosos acima dos 76 anos serão vacinados também à partir de oito de fevereiro (Foto: Matheus Tagé/AT) 
Tudo sobre: