Santos celebra 475 anos em meio à crise sanitária causada pela Covid-19: 'Responsabilidade e União'

Comemorações foram encerradas na manhã desta terça-feira (26) em solenidade na Câmara Municipal

Por: Por ATribuna.com.br  -  26/01/21  -  14:48
Rogério Santos (PSDB) lembrou os grandes nomes do passado da cidade
Rogério Santos (PSDB) lembrou os grandes nomes do passado da cidade   Foto: Alexsander Ferraz/AT

As comemorações pelos 475 anos de Santos, ontem, foram restritas a poucas pessoas por conta da pandemia da covid-19. Este, inclusive, foi o pano de fundo do discurso do prefeito Rogério Santos (PSDB), durante a sessão na Câmara Municipal, evento que encerrou as celebrações pela data, por volta das 12 horas. O chefe do Executivo enalteceu o passado da Cidade e ressaltou que o momento atual, de “crise sanitária, da saúde e econômica” para pedir “responsabilidade e união” entre os poderes.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O prefeito observa que o combate ao coronavírus é uma “guerra”, que “usa da separação e dos posicionamentos, às vezes controversos e diferentes, das pessoas para dividir o ser humano”. Diante desse cenário, ele indicou uma maior aproximação com o legislativo. “Cabe a nós, eleitos, ter a responsabilidade, neste momento, de trabalharmos em conjunto pelo bem comum”.


Ele lembrou do juramento feito na Câmara quando foi empossado ao cargo de chefe do Executivo: “Fiz juramento nesta casa e jurei defender a Cidade e as pessoas”. Santos afirmou que sua prioridade é salvar vidas e destacou que o momento é de “decisões difíceis. Decisões que, às vezes, não são populares”.


Em seu discurso, o prefeito fez menções aos nomes de muitas figuras importantes na cidade, como Brás Cubas (fundador da Vila de Santos), Saturnino de Brito, engenheiro e sanitarista que planejou os canais de Santos, entre outros. As referências foram de homens que tiveram que tomar decisões difíceis, com coragem.


As mensagens de atitudes corajosas foram atribuídas às pessoas envolvidas na construção da Santa Casa de Santos (Hospital mais antigo em atividade no País, desde 1543), ao Governo do Estado, pela criação do Laboratório Butantan, há 120 anos (completa em fevereiro), e chegou à gestão da ex-prefeita e vereadora Telma de Souza (PT), entre 1989 e 1992.


“Corajoso o governo da nossa vereadora e prefeita, Telma de Souza, quando todos falavam do absurdo da doação de seringas, e não era populista essa medida, pelo contrário, manteve, e assim foi assertivo”, fez referência ao episódio da distribuição de seringas descartáveis entre usuários de drogas para o enfrentamento da epidemia de HIV/Aids. À época, o secretário de Saúde era David Capistrano, médico sanitarista, ex-secretário de Saúde e prefeito de Santos.


E finalizou: “Não podemos errar! Não podemos entrar na confusão da solução fácil, de agradar as pessoas, quando na verdade podemos estar cometendo erros graves.... Santos é a terra da liberdade e da caridade, e quem não quer a liberdade de ficar sem máscara, de abraçar o próximo? Quem não sente falta de um beijo, de um abraço, de um carinho, de estar de volta com os amigos? Todo mundo quer, eu quero! Mas, nesse momento, essa liberdade tem que ser conquistada”.


Sessão
A cerimonial na Câmara de Santos começou por volta das 10h40 e, além do prefeito, teve a presença dos vereadores, autoridades de Exército, Aeronáutica e Marinha, e dos deputados federal, Junior Bozella (PSL), e estadual, Paulo Corrêa Jr (DEM).


Após os hinos nacional e da Cidade, foi realizado um minuto de silêncio em memória às vítimas da covid-19. Antes de o prefeito falar, o vereador Ademir Pestana (PSDB) fez um discurso introdutório, lembrando os desafios vividos pelo município, o atual momento, de combate à pandemia, além das virtudes da região. "Que nosso passado de lutas continue a nos inspirar", disse.


Mais cedo
Rogério Santos cumpriu pela primeira a agenda de aniversário da Cidade como prefeito de Santos. Às 8h30, ele fez a deposição de flores em frente monumento de Braz Cubas, fundador da Vila de Santos, e, na sequência, participou de uma missa na Catedral.


Rogério Santos prestou homenagem em frente ao Memorial de Bráz Cubas.
Rogério Santos prestou homenagem em frente ao Memorial de Bráz Cubas.   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Logo A Tribuna