EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

13 de Dezembro de 2019

Santos aprova abertura de crédito suplementar para obras na Casa da Frontaria Azulejada

Serão destinados R$ 250 mil para restauração do telhado do equipamento turístico, que está fechado

A Câmara de Santos aprovou nesta quinta-feira (18), em segunda discussão, o projeto de lei 298/2019, de autoria do Executivo municipal, que autoriza a abertura de crédito suplementar para obras na Casa da Frontaria Azulejada, no Centro.

O texto permite o remanejamento de R$ 250 mil. A Prefeitura de Santos justificou que a manobra é possível já que houve excesso de arrecadação e superávit financeiro apurado no exercício anterior.

Segundo a justificativa, assinada pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), o pedido visa atender despesas da Fundação Arquivo e Memória de Santos (FAMS), em especial aquelas referentes a restauração do telhado da Casa da Frontaria Azulejada, para que o imóvel possa ser reaberto à comunidade cultural, viabilizando a realização de exposições artísticas e eventos turísticos.

Obras anunciadas em fevereiro

Em fevereiro, a prefeitura de Santos anunciou que a Casa da Frontaria Azulejada, patrimônio histórico construído em 1865, passaria por uma reforma. As obras, que tinham prazo de três meses, deveriam começar em março.

A reforma abrangeria a recuperação do telhado, a troca de calhas, rufos e madeiramento. A fachada, feita com azulejos em alto relevo, também passaria por revisão.

A casa histórica foi construída como um sobrado de dois andares, em estilo neoclássico para residência e armazém do comendador português Manoel Joaquim Ferreira Neto. A construção tinha a abertura voltada para o mar e ia até o porto, o que facilitava o processo de carga e descarga das mercadorias.

Depois, o imóvel foi usado como escritório, hotel, armazém de cargas e depósito de adubos químicos, sendo tombado em 1973 pela então Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, que proibiu o uso para guarda de fertilizantes.

Em 1986, a Prefeitura de Santos desapropriou o imóvel, que já estava sem o teto e o piso superior. Em 1992, a fachada foi completamente restaurada. De 1996 a 2005, a Casa abrigou em seu anexo o Arquivo Permanente da FAMS. Em 2007, foi inaugurado o Espaço Cultural Frontaria Azulejada. Desde setembro de 2012, o local abriga a sala Serafim Gonzalez para pequenas exposições, palestras e cursos.

Tudo sobre: