EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

8 de Agosto de 2020

Santo Antônio do Valongo, um santuário do século 17

Uma das primeiras igrejas do país, santuário une história e religiosidade

Um passeio que une história e religiosidade é a visita ao Santuário Santo Antônio do Valongo. Vale observar – e fotografar – cada detalhe.

De 1640, ela é uma das primeiras igrejas do país e o segundo conjunto mais antigo de Santos. Em estilo barroco, tem paredes revestidas por murais de azulejos dos anos 1930.

Segundo frei João Pereira Lopes, uma exposição de presépios é uma atração a mais. Ela ficará no local até o dia 26, com visitação sempre de terça-feira a domingo, das 9h às 19h30. “São 35 peças de 18 expositores. O visitante pode participar de um sorteio”.

Além de render ótimas imagens, a igreja é uma aposta de passeio em família cheia de aprendizado. A Capela da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, de 1691, fica anexa. Lá, está exposta uma imagem de São Francisco, em estilo barroco e tamanho real, orando diante de um Cristo Místico de Seis Asas.

Milagres

Em 1859, o conjunto do Valongo, que tinha igreja, convento e capela, foi vendido para a construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí, a primeira do estado.

Porém, não houve força capaz de retirar a imagem de Santo Antônio do altar. Esse fato é considerado milagroso e impediu o desaparecimento da igreja, elevada a santuário em 1987.

Hoje, tanto a igreja quanto a ala sul do convento, que também escapou da demolição, são consideradas um dos principais exemplares da arquitetura franciscana no Brasil.

Também merecem olhares atentos os detalhes e o semblante das imagens do altar Divina Justiça, que mostra Madalena aos pés de Jesus Crucificado.

Essa imagem, sempre em destaque na Sexta-feira Santa, foi conduzida em procissão durante a epidemia de febre amarela, entre 1889 e 1890. A doença dizimava a população santista. Semanas depois, não houve mais casos.

SERVIÇO – O santuário fica na Rua Marquês de Herval, 13, no bairro Valongo, em Santos. A visita monitorada é às terças, quintas, sextas e sábados, das 8h30 às 12h. A entrada é de graça.

Tudo sobre: