Santa Casa de Santos cria OSS para oferecer serviço de gestão

Organização social de saúde participará de licitações para tentar assumir administração de unidades de saúde da região

Por: Maurício Martins  -  17/08/20  -  00:45
Santa Casa passará por obras nos próximos 18 meses
Santa Casa passará por obras nos próximos 18 meses   Foto: Carlos Nogueira/AT

A Santa Casa de Santos criou uma organização social de saúde (OSS) para participar de licitações e tentar assumir a gestão de unidades públicas na Baixada Santista. O chamado Instituto de Saúde Santa Casa de Santos foi aprovado pelo Conselho Deliberativo do hospital e já pode ingressar em processos licitatórios, segundo o diretor administrativo e financeiro, Augusto Capodicasa.  


“A Santa Casa sempre foi convidada pelas prefeituras para a gestão de equipamentos de saúde, o que, de certa maneira, tem relação direta com o serviço que prestamos ao SUS (Sistema Único de Saúde). Mas há um impedimento. O hospital não pode prestar serviços para outros municípios porque já tem contrato com o Ministério da Saúde, através do gestor municipal (do SUS, no caso, a Prefeitura de Santos)”, diz Capodicasa.  


Ele afirma que o instituto permite que a Santa Casa possa participar da gestão de hospitais ou equipamentos de saúde de outras cidades. “Da mesma forma que vemos outros hospitais que tem essa oportunidade de fazer a gestão de equipamentos de saúde. O instituto foi criado, é ligado à Santa Casa, com intuito de poder prestar esse serviço e utilizar a expertise da Santa Casa, o corpo clínico e a qualidade técnica”, diz o diretor.  


Questionado se o instituto daria retorno financeiro à Santa Casa, Capodicasa não respondeu, mas ressaltou uma suposta melhoria no atendimento dos locais que vierem a ter a gestão do instituto. “Caso venha a administrar um equipamento desse, estará intimamente ligado ao paciente que o hospital acaba recebendo. Porque recebemos pacientes oriundos das unidades de saúde. Se a geste consegue ter uma gestão, melhora a qualidade do atendimento oferecido ao munícipe. É o principal objetivo”.  


O diretor garante que o instituto já está apto a participar de licitações e possui todas as exigências que a legislação obriga.  


Obras 


O Conselho Deliberativo do hospital também aprovou o Plano Diretor de Obras, Reformas e Adequações, com modernização do hospital. Segundo Capodicasa, trata-se de uma série de intervenções previstas para os próximos 18 meses e que devem começar nas próximas semanas.  


“São várias obras e envolve todo o prédio. Em destaque posso falar da radioterapia, uma obra significativa para a instalação do acelerador linear, que já chegou ao hospital. Estamos viabilizando os acertos finais para a instalação do equipamento. Também toda a reforma do serviço de luto, que é um prédio bastante antigo, e a reforma, ampliação e modernização de todas as alas SUS”, detalha o diretor. 


Ele explica, ainda, que o setor de Pediatria será ampliado para melhorar o atendimento e o serviço de diálise terá um novo espaço. “As ampliações de serviço não são necessariamente de atendimento, mas de espaço físico também. No caso da diálise, haverá aumento de atendimento”, afirma Capodicasa, sem informar os números.  


Sobre os custos de todas as intervenções, o diretor afirma que “cada serviço desse tem um valor estimado. Não saberia dizer o montante todo, porque vai se diluir nesse período. Eu posso passar para você num cronograma que ainda não foi definido. Foi aprovado a autorização do conselho para se dar início ao trabalho”. 


Logo A Tribuna