PSDB analisará expulsões somente em 2019

Só após esse procedimento é que sigla definirá se abre processo de infidelidade partidária

Por: Da Redação  -  01/12/18  -  09:54
Prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, é um dos que terá o pedido de expulsão analisado
Prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, é um dos que terá o pedido de expulsão analisado   Foto: Irandy Ribas/AT

A Comissão Executiva Nacional do PSDB, presidida pelo ex-governador Geraldo Alckmin, ainda não tem prazo para definir, política e juridicamente, se abre processo de infidelidade partidária contra integrantes do partido que declararam publicamente apoio ao candidato à reeleição ao Governo do Estado, Márcio França (PSB), em detrimento do pleiteante do PSDB, João Doria – que foi eleito. A decisão deve ficar para o ano que vem.


Entre os que podem enfrentar o processo estão o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, outros integrantes do partido na Cidade e em outros municípios. Coordenador da legenda na região, Raul Christiano explica que, no último dia 27, foi feita uma reunião, em Brasília, pelo Conselho Nacional de Ética e Fidelidade Partidária do PSDB, e os casos foram recebidos e encaminhados à Comissão Executiva Nacional, que vai avaliar se eles merecem prosseguir.


Trâmite


Caso a decisão seja pela abertura de procedimento, o processo volta ao Conselho Nacional de Ética e Fidelidade Partidária, define-se um relator, e todos os envolvidos são notificados e têm espaço para se defender. “Depois é feito um relatório e enviado novamente à Executiva. Os conselhos de ética não expulsam, apenas definem um parecer dentro de um processo com ampla defesa”.


Logo A Tribuna