Programa Vizinhança Solidária tem alta de 12,6% em Santos

Os dados apresentados pelo capitão da PM Flávio Ponciano representam um aumento no engajamento da população em relação à segurança, apesar do momento de pandemia

Por: Matheus Müller & Da Redação &  -  11/01/21  -  22:32
No Boqueirão, há mais de um núcleo em funcionamento
No Boqueirão, há mais de um núcleo em funcionamento   Foto: Carlos Nogueira

O Programa Vizinhança Solidária, da Polícia Militar, teve alta de 12,6% no número de núcleos em Santos nos últimos 12 meses, passado de 111 para 125 grupos organizados por WhatsApp. Os dados apresentados pelo capitão da PM Flávio Ponciano representam um aumento no engajamento da população em relação à segurança, apesar do momento de pandemia.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“Nossa ideia é que toda a população possa aderir ao Vizinhança Solidária e ficar mais consciente sobre os problemas e como se precaver”, explica Ponciano.


>> Infográfico explica em detalhes o que é Vizinhança Solidária


O capitão ressalta que a característica educativa do programa, por meio de reuniões entre integrantes da PM e tutores (moradores responsáveis pelos núcleos), é fundamental para disseminar conhecimento e aumentar o sentido de alerta. “Houve um aprendizado melhor da população. A pessoa começou a enxergar mais o tipo de coisa que anda ocorrendo para se precaver”.


O morador do Boqueirão e ex-vereador de Santos Braz Antunes é tutor de um dos núcleos no bairro e afirma ser perceptível a redução das ocorrências policiais na região.


“Aprendemos muito com a Polícia Militar sobre prevenção primária. Aqui, dificilmente você vê gente andando com celular na mão ou mesmo parada no carro, conversando. Isso tudo resultou numa melhoria”.


Braz aponta que a orientação da PM aos tutores, em relação a prevenção primária, “inibe praticamente 80% as ações dos bandidos”. Entre as situações básicas que devem ser evitadas, de acordo com ele, estão pegar a carteira na rua, andar com o celular à mostra, permanecer dentro do carro, andar com correntes, joias e relógios.


Diminuição de ocorrências


O capitão da PM observa que a diminuição dos casos de roubos e furtos na região, de acordo com os dados mensalmente divulgados pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, estão atreladas, também, aos bons resultados do Vizinhança Solidária. Entretanto, ele diz não ter como mensurar em números o impacto positivo da ação.


Ponciano destaca, ainda, o amadurecimento dos participantes do programa. Segundo ele, no começo, muitos enviavam mensagens fora de contexto no grupo, o que atrapalhava o andamento das atividades. O tutor de núcleo no Boqueirão, Braz Antunes, também nota a evolução e indica que o canal seja usado só quando necessário.


Contato


O capitão explica que, caso o morador participante de um núcleo observe uma cena suspeita, deverá repassar a informação no grupo do núcleo para o encaminhamento de uma equipe da PM ao local, o que pode levar um tempo. O telefone 190 é para situações de urgência, como um crime em andamento. “A gente fala para que (a pessoa) não se envolva diretamente e ligue para o 190”, reforça.


Como participar


Ponciano explica que os moradores que tiverem o interessem em participar do programa devem se informar se há algum núcleo próximo à região onde mora. Caso sim, basta fazer um pedido ao tutor do grupo (membro que tem contato com a PM) para que seja adicionado no WhatsApp.


Se não for identificado nenhum núcleo na área, o interessado deve procurar pela companhia da PM mais próxima e solicitar a abertura. “Caso tenha dúvida da companhia do bairro, basta ligar no 190 para se informar”.


Logo A Tribuna