Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Princípio de incêndio na Ultracargo assusta moradores da Alemoa em Santos

Fogo foi controlado pela brigada da própria empresa. Em abril de 2015, local sofreu com um dos maiores incêndios da história da Baixada Santista

Por: Por ATribuna.com.br  -  12/02/21  -  17:14
Atualizado em 12/02/21 - 17:20
Um incêndio de proporções muito maiores já atingiu a mesma empresa em 2015
Um incêndio de proporções muito maiores já atingiu a mesma empresa em 2015   Foto: Reprodução/Cubatão Mil Grau

Um princípio de incêndio na empresa Ultracargo assustou quem passava pelo bairro Alemoa, em Santos, na tarde desta sexta-feira (12). Munícipes flagraram quando uma grande fumaça preta começou a sair da sede da instituição.


Porém, de acordo com apuração de ATribuna.com.br,não foi necessária intervenção do Corpo de Bombeiros, pois o fogo foi controlado pela própria brigada da empresa. Ainda não há informações sobre a causa das chamas.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Em nota, a Ultracargo afirmou que, por volta das 12h, houve um princípio de incêndio em um tanque vazio, em manutenção por empresas terceirizadas, localizado em área onde não são armazenados produtos inflamáveis no Terminal de Santos.


A brigada de incêndio atuou rapidamente e a situação foi prontamente controlada. O Corpo de Bombeiros foi acionado preventivamente e esteve presente no local.


Três pessoas precisaram ser socorridas à hospitais da região, mas nenhuma deles com gravidade. Seis funcionários da empresa terceirizada trabalhavam na operação antes do incêndio. Os demais foram atendidos na enfermaria da Ultracargo e levados para o pronto atendimento.


O terminal se encontra em operação normal e a área do incidente encontra-se isolada para averiguação de causas.


Incêndio de 2015


É importante ressaltar que um incêndio de proporções muito maiores já atingiu a mesma empresa. Em 2015, a sede da Ultracargo pegou fogo durante oito dias. A ocasião resultou na queima de 40 milhões de litros de combustível e as chamas só foram apagadas com o uso de 8 bilhões de litros de água do mar e 426 mil litros de espuma especial de uso dos bombeiros.


Logo A Tribuna