Prefeitura de Santos retira palmeiras da entrada da cidade

Ao menos 40 árvores foram cortadas; Administração alega que remoção é necessária devido a obras de drenagem

Por: De A Tribuna On-Line, com informações de Bruno Guedes  -  19/11/18  -  21:58
No total, Prefeitura de Santos deverá retirar 79 árvores da entrada da cidade
No total, Prefeitura de Santos deverá retirar 79 árvores da entrada da cidade   Foto: Alexsander Ferraz/AT

A Prefeitura de Santos retirou ao menos 40 palmeiras que estavam plantadas na Avenida Martins Fontes, na entrada da cidade. Os exemplares são de uma espécie trazida das Antilhas e estão lá, pelo menos, há três décadas. O primeiro exemplar foi plantado no País pelo rei Dom João VI. A reportagem foi até o local e constatou a remoção das árvores. O caso começou a ter repercussão após uma postagem feita pelo ex-secretário de Cultura de Santos, Raul Christiano, em uma rede social. No texto, ele questionou a necessidade de se arrancar as palmeiras do local e se não seria possível o replantio em outro lugar.


Paisagista de Santos e autor do primeiro projeto paisagístico da entrada da cidade, nos anos 70, Oswaldo Casasco lamentou a retirada das árvores e argumentou que um replantio dos mesmos exemplares em outras áreas da Cidade seria perfeitamente possível.


"A lei (de compensação ambiental) é importante, mas é triste para casos como este, em que serão plantadas mudas de dois metros de altura que demoram anos para florescer, em troca de árvores maravilhosas de 40, 50 anos de idade".


Questionada sobre a remoção das árvores, a Prefeitura de Santos explicou que a retirada foinecessária em função das obras que estão sendo realizadas no local para a melhoria no seu acesso e saída, além da implantação de redes de drenagem, que por si só já afetariam as palmeiras. No total, serão cortadas79 árvores da Avenida Martins Fontes, sendo 76 palmeiras reais, uma palmeira jerivá (coqueiro) e duas leucenas.


Os trabalhos para a retirada das árvores tiveram início na sexta-feira (16) e deve ser finalizado até esta terça-feira (20), dependendo das condições climáticas. A remoção está a cargo de uma empresa especializada, contratada pela Terracom, que é responsável pelas obras na região.


De acordo com a Administração Municipal, as obras de drenagem visam a solução dos alagamentos na entrada da cidade e nos bairros Saboó e Vila Haddad.Elas foram incorporadas do projeto de macrodrenagem do Programa Santos Novos Tempos, além dos programas "Corredores de Ônibus" e "Nova Entrada de Santos".


O trabalho consiste na implantação de três linhas de drenagem, de 300 metros cada, que ligarão a drenagem desde a Avenida Nossa Senhora de Fátima ao Rio Lenheiros, sob a Avenida Martins Fontes e a pista expressa para São Paulo, ao lado do muro da linha férrea, obrigando a eliminação do canteiro entre a pista citada e a pista que vai em direção à Zona Noroeste.


Desta forma, segundo a Prefeitura, não haveria condição de manter as árvores com a largura e profundidade de escavação necessária, mesmo com o uso de estacas pranchas (placa metálica cravada no solo utilizada como contenção de algum material) que estão previstas no pacote licitatório. Além disso, o canteiro destas palmeiras será retirado ao final da implantação do projeto com a construção das pistas de acesso ao viaduto e à São Paulo.


Compensação ambiental


A Prefeitura de Santos terá de realizar a compensação ambiental pela retirada das árvores na região. A obrigatoriadade faz parte de um acordo com a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). O órgão, responsável por autorizar a remoção das palmeiras, estipulou que a Administração Municipal deverá plantar 10 árvores para cada uma que fosse removida.


Esse plantio, de 790 mudas de árvores de espécies nativas da região deve ocorrer, preferencialmente, em bairros da Zona Noroeste. Ainda segundo a Prefeitura, a Cetesb não indicou o replantio das espécies retiradas pela baixa taxa de sucesso de sobrevida, pela idade avançada e o risco na operação. As espécies removidas têm como destino final um aterro ambiental licenciado.


O projeto paisagístico da nova entrada da Cidade, na Avenida Martins Fontes, está em fase de estudos. A Administração ressaltou que o projeto prevê áreas verdes, garantindo qualidade ambiental a essa região. Espaços com árvores e canteiros com gramados e flores serão incorporados, respeitando as intervenções viárias e de drenagem.


Atenção ao trânsito


Durante a execução do serviço de remoção das árvores, que é feito de madrugada por questão de segurança ao tráfego de pedestres e veículos, poderá haver a necessidade de interdição temporária de apenas uma faixa de rolamento de uma das pistas da Avenida Martins Fontes. A CET estará presente monitorando e garantindo a fluidez no trecho viário.


Logo A Tribuna