Prefeitura de Santos faz testes para combater o mato alto nas ruas

Descargas elétricas e composto ecológico serão aplicados

Por: Da Redação  -  15/12/18  -  11:43
A tecnologia, nacional e única no mundo, se somará à capina manual na Cidade
A tecnologia, nacional e única no mundo, se somará à capina manual na Cidade   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Descargas elétricas de 6 mil volts e a mistura de óleo de limão com vinagre de álcool surgem como alternativas para a remoção de mato nas vias santistas. A prefeitura está testando duas técnicas com as quais espera resolver um dos motivos principais de queixas de munícipes. A busca por uma solução se deve à proibição do uso do herbicida glifosato na capina, desde 2016, pelo Ministério da Agricultura.


Na manhã de sexta-feira (14), foi realizado o teste de uma máquina de capina elétrica, nas avenidas Francisco Glicério e Afonso Pena, entre o Canal 3 e a Avenida Mário Covas. Ela dispara uma carga de eletrocução que queima o mato pela raiz.
“A descarga [elétrica] enfraquece a raiz, e demora de dois a três meses para voltar a crescer. Quando se corta o vegetal, a raiz se mantém forte, e volta a brotar mato em 20 dias”, explica a secretária municipal de Serviços Públicos, Fabiana Ramos Garcia Pires.


A tecnologia, nacional e única no mundo, se somará à capina manual na cidade. O modelo em teste é até 60 vezes mais rápido do que o formato tradicional, e o custo do serviço pode cair à metade.


O equipamento será usado para eliminar mato em guias, sarjetas e calçadas, sem danificar o piso. A ideia é utilizá-lo nos corredores viários de grande fluxo e canteiros centrais, liberando equipes para as vias internas dos bairros. “A capina mecânica não vai substituir a manual. [O maquinário] Vai distribuir melhor o efetivo, sendo cada um na sua função, para conseguir maior produção”, diz a secretária.


O gerente operacional da empresa que desenvolveu a tecnologia, Anderson Muniz, explica que a morte da planta ocorre pela destruição dos feixes por onde corre a seiva. Não há efeito posterior ou resíduo após a aplicação.


De imediato, não se nota a remoção: o efeito da pode aparece até uma semana após a passagem da máquina. “O mato vai amarelando, até que cesse o crescimento”, afirma a secretária.


Apesar de emitir descargas com cerca de 6 mil volts, a máquina não trará risco aos operadores nem à população. Muniz explica que a amperagem (intensidade da corrente elétrica) do aparelho é em níveis baixos e seguros.


A capina ficará sobre um caminhão da Terracom, empresa responsável pela limpeza pública da cidade, será operada pelo motorista com um módulo de controle. O custo do uso do aparelho no contrato com a prefeitura não foi revelado.


Herbicida ecológico


Na próxima semana, terão início os testes de outra solução para o mato alto em Santos. Também com tecnologia nacional, um composto feito de álcool de vinagre e óleo de limão deverá retardar o crescimento do vegetal.


A aplicação do herbicida natural será feita nas vias 15 dias depois da passagem das equipes do serviço de capinação manual. Também será usado em outros pontos que as equipes não tiverem percorrido.


Fabiana Garcia Pires explica que os testes são realizados no verão, por ser o período do ano em que os vegetais crescem mais rápido, por causa das chuvas e do sol abundantes. Ainda de acordo com a secretária, o serviço manual de zeladoria será mantido. A diferença será apenas nos trechos que receberem a capinação elétrica, que terá intervalos de até 90 dias sem receber as equipes de manutenção.


Logo A Tribuna