Policlínicas de Santos amanhecem com filas e doses zeradas em menos de duas horas; VÍDEO

A exemplo do que ocorreu na quinta-feira (11), a procura dos idosos pela vacina foi grande no município

Por: Rosana Rife  -  12/02/21  -  13:24
Na policlínica do Campo Grande, o segundo dia de vacinação começou com fila
Na policlínica do Campo Grande, o segundo dia de vacinação começou com fila   Foto: Carlos Nogueira/AT

Na policlínica do Marapé, em Santos, as doses acabaram em uma hora e meia. Nesse momento, os funcionários da unidade aguardam um possível remanejamento vacina para dar andamento ao atendimento ao público. Edison Monteiro de Almeida, 85 anos, recebeu a última dose ás 9h20. Ele chegou a ser dispensado pelas atendentes, que acabaram conseguindo mais uma dose para ele.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Almeida nem acreditou. "Cuido da minha esposa que tem esclerose múltipla e estava preocupado porque sou eu que saí para mercado, farmácia, para fazer as compras. Então, com a vacina consigo protegê-la".


Antes dele, o aposentado Joaquim Luiz Ferreira, 85 anos, nem acreditou quando conseguiu se imunizar sem enfrentar longa espera."Achei ótimo porque quero viver ainda um bom tempo. E esse vírus e estranho, você não vê, quando percebe já tá doente. Agora fico aliviado".


Na policlínica do Campo Grande, o segundo dia de vacinação começou com fila. Mas, por volta das 9h45, já não havia espera e a unidade contava com 53 senhas à disposição dos idosos.


Dona Arminda de Oliveira Gonçalves, 90 anos, foi ao local acompanhada do filho e da cuidadora. Ela conta que estava ansiosa para ser imunizada. "Já estou atrasada", brinca. Mas o filho, Paulo Roberto Gonçalves, 58 anos, esperou um momento mais tranquilo para levá-la. "Não dava para colocar a vida dela em risco. Ela está todo esse tempo em casa. Depois da segunda dose, vai dar para sair um pouquinho. Ela gosta".


Logo A Tribuna