Pinacoteca ganhará totem de identificação em frente ao casarão

Construção começa na próxima semana e deverá ser finalizada dentro de 60 dias

Por: Izabelly Fernandes  -  02/04/24  -  17:47
Atualizado em 03/04/24 - 20:32
Valor investido na implantação do totem é de R$ 25 mil, provenientes de recursos da Seserp
Valor investido na implantação do totem é de R$ 25 mil, provenientes de recursos da Seserp   Foto: Divulgação/ Prefeitura de Santos

A Pinacoteca Benedicto Calixto, em Santos, ganhará um totem para ajudar na identificação do ponto turístico — o Casarão Branco na Praia do Boqueirão. Ele será construído pela Secretaria de Serviços Públicos e instalado no canteiro central da Avenida Bartolomeu de Gusmão, diante do imóvel. A construção começa na próxima semana e deve terminar em dois meses.


O secretário Wagner Ramos relata que a ideia surgiu de uma conversa entre o prefeito Rogério Santos (Republicanos) e o presidente da Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto e diretor-presidente da TV Tribuna, Roberto Clemente Santini, sobre a necessidade de uma identificação desse atrativo.


“Essa é a contribuição do Município para que esse espaço, declarado como de utilidade pública, tenha a visibilidade de que precisa. Ali se encontra um grande acervo das obras de Benedicto Calixto, que contribui tanto para o fomento da cultura em Santos”, afirma.


Ramos explica que o totem terá 2,70 metros de altura, 90 centímetros de largura e 15 centímetros de profundidade. A base terá 1,50 metro, dos quais 1,20 metro abaixo do nível do solo. O material utilizado para a construção do totem será o concreto pré-moldado.


“Na parte superior, em ambos os lados do totem, haverá uma caixa retroiluminada em LED, em acrílico branco leitoso, destacando o logotipo da pinacoteca”, explica o secretário. A construção do totem custará R$ 25 mil, em verba municipal.


Duas palmeiras foram retiradas do canteiro central da Bartolomeu de Gusmão para dar visibilidade ao totem. A ideia inicial era replantá-las em outro local, mas a Secretaria de Meio Ambiente constatou, por laudo, que as árvores estavam comprometidas e teriam de ser sacrificadas.


Logo A Tribuna
Newsletter