Para usuários, reajuste na tarifa dos ônibus em Santos não se justifica

Entrevistados disseram não concordar com o aumento, que faz tarifa saltar para R$ 4,30 e passa a valer a partir de domingo (13)

Por: Verônica Sampaio & De A Tribuna On-line &  -  10/01/19  -  12:32
Reajuste da passagem dos ônibus de Santos é alvo de ação da Defensoria Pública
Reajuste da passagem dos ônibus de Santos é alvo de ação da Defensoria Pública   Foto: Verônica Sampaio/AT

O anúncio do aumento dapassagem de ônibus em Santos, divulgado nesta quarta-feira (9), não agradou a maioria dos usuários do serviço na Cidade. Prestes a arcar com os 6,17% de reajuste, que farão com que a tarifa pule para R$ 4,30 a partir de domingo (13), muitos munícipes não só reclamaram do aumento como, também, pontuaram melhorias que precisam ser feitas no serviço.


A principal reclamação fica por conta do conforto que, nem sempre, é presente nos carros usados nas 46 linhas municipais. A estudante Kelly Rodriguez, de 32 anos, diz não ter justificativa para o reajuste. ‘’Nem todos os ônibus funcionam de forma correta, alguns contam com ar condicionado que não funcionam. Tem muita coisa para melhorar. Quem tem veiculo próprio, por exemplo, não utiliza o coletivo. Não vale a pena", disse ela, que utiliza o serviço para estudar e trabalhar quatro vezes ao dia.


Para Ana Flávia Fernando Roberto, de 34 anos, o valor pago atualmente, de R$ 4,05, já é suficiente. Segundo ela, o aumento não é revertido em qualidade de serviço para o usuário. “O que deveria aumentar é a quantidade de ônibus, pois as pessoas necessitam deles”, apontou.


Até quem não paga passagem reclamou do reajuste. Para Mariaestela Nubele, de 65 anos, o aumento da tarifa afeta principalmente os trabalhadores. A falta de ar condicionado e a demora dos ônibus foi bastante criticada por ela. “É a consciência dos nossos representantes, pois eles não usam ônibus, a família também não. Então eles pouco estão ligando, mas quem usa sabe” desabafou.


Outro ponto de vista


Mas há quem pense diferente. Ronaldo Almeida dos Santos, de 37 anos, acha que o reajuste tem que ser feito, mas dentro da inflação. Segundo ele, o custo da manutenção é muito alto. “Eu sou favorável. Gosto muito do transporte de Santos, não tenho o que reclamar. Os ônibus são sempre novos. O serviço é revertido sim, mas o valor do reajuste deveria ser revisto” alertou.


Nos últimos seis anos, Santos conquistou o título de cidade com uma das frotas de ônibus mais nova do país, com idade média de cerca de 4 anos. Os coletivos possuem wi-fi e cerca de 75% da frota operacional, de 273 coletivos, são equipados com ar condicionado.


Entre os fatores que justificam o novo valor estão os sucessivos aumentos do preço do combustível, a elevação de insumos como pneus e peças, além de gastos com a folha de pagamento e benefício dos funcionários da empresa, além da queda no número de passageiros transportados.


Logo A Tribuna