Mais de 200 pessoas protestam no Gonzaga pedindo justiça para a blogueira Mariana Ferrer

Ela acusa o empresário André de Camargo Aranha de a ter estuprado em uma casa noturna em Santa Catarina; assunto teve repercussão na semana após o réu ser absolvido

A praia planejada pela estudante Luiza, de 16 anos, ficou para outro dia. Acompanhada da mãe e psicóloga Fernanda Santana, de 40, ela foi neste domingo (8) até a Praça da Independência, no Gonzaga, participar de um ato pela modelo e blogueira Mariana Ferrer, que acusa o empresário André de Camargo Aranha de a ter estuprado em uma casa noturna em Santa Catarina. Junto com elas, mais de 200 mulheres e homens também se reuniram na luta por outros direitos das mulheres.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços

“Eu e cinco amigas trocamos a praia pela manifestação. Temos de nos unir para não permitir que essas coisas aconteçam. É justamente para continuarmos indo à praia com a roupa que quisermos”, diz Luiza.

A mãe, Fernanda, quando soube da iniciativa da filha, decidiu ir junto para apoiar. “Fiquei muito orgulhosa quando ela me procurou para dizer sobre os planos do domingo. O que eu poderia fazer? Estar com elas e mostrar o quanto me inspiraram”.

O estudante de Arquitetura Vinícius Ferreira, de 21 anos, diz que viu um compartilhamento do evento nas redes sociais e convidou uma amiga para ir com ele.

“Inicialmente, tem a ver com a repercussão do caso da Mariana Ferrer. Mas outras questões estão envolvidas, principalmente relacionadas à luta feminista e ao direito da mulher. Vim fazer parte dessa luta porque todo o vídeo do julgamento é bastante chocante”.

Para Vinícius, os homens deveriam participar mais de atos como esse. “É uma causa de toda a sociedade, e não exclusivamente de homens e mulheres”.

A estudante de Direito Sophia Iozzi, de 18 anos, também mobilizou amigos e conhecidos para mostrarem sua indignação.

“Aconteceu com a Mariana dessa vez, mas poderia ser com qualquer uma de nós. Isso vem acontecendo desde que o mundo é mundo e não podemos aceitar. Já demos muitos passos importantes, mas a caminhada é longe. Não é em um dia que resolveremos isso”.

No ato, os participantes usaram roupas pretas e máscaras claras. Também fizeram oito minutos de silêncio em referência ao tempo em que cada mulher é estuprada no Brasil.

A decisão da manifestação aconteceu após a divulgação do julgamento do caso em que a conduta do advogado de defesa do empresário, Claudio Gastão da Rosa Filho, foi questionada, além da decisão do juiz Rudson Marcos em absolver o réu.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) abriu um processo disciplinar contra o juiz que permitiu os ataques do advogado de defesa contra a vítima durante o julgamento.

Tudo sobre: