EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

26 de Junho de 2019

Limpeza em mangue ajuda a refletir sobre cuidado ambiental

Voluntários retiraram lixo de manguezal no bairro São Manoel, em Santos

Em quatro horas, uma faxina feita por 64 voluntários deu cara nova para a área de mangue no bairro São Manoel, na Zona Noroeste de Santos, na manhã de domingo (10). A ação, promovida pelo Instituto Ecofaxina, em parceria com a Coca-Cola Femsa Brasil, recolheu mais de uma tonelada de lixo e fez um alerta sobre a necessidade de preservação do meio ambiente.

O manguezal serve de berçário natural para espécies animais, que acabam ameaçadas pela poluição e pelo descarte irregular de resíduos. “A poluição destrói o habitat dessas espécies. De cada dez animais encontrados no mangue, nove têm resíduos plásticos dentro do trato digestório”, afirma o diretor presidente do Instituto, William Rodrigues.

Acostumada a atuar como voluntária, a coordenadora de comunicação interna, Gabriela Araújo, participou pela primeira vez do mutirão, que chegou à 102ª edição.

“Senti necessidade de atuar em prol do meio ambiente. Já adoto alguns cuidados, mas acho que é preciso dar mais atenção ao que pode ser reciclado”, considera Gabriela.

Ela conta que se surpreendeu durante o evento. “Foi assustadora a quantidade de lixo retirada. Havia muito isopor, embalagem plástica, mas também encontramos capacete e, até, colchão. Então, há um problema de descarte incorreto. Saí daqui com mais consciência para influenciar outras pessoas”, diz.

Multiplicadores

O objetivo do mutirão é justamente funcionar como uma ferramenta de alerta e sensibilização da comunidade sobre como o comportamento dela afeta a relação com o ambiente.

“As pessoas já se acostumaram a ter a maré como lixeira. O mangue acaba não tendo muito valor. Mas é um ecossistema importantíssimo, que pode, inclusive, ser usado para o ecoturismo. É preciso conscientizar, e os voluntários acabam se tornando multiplicadores de informação”, acrescenta William.

Reforço

Um próximo passo bastante aguardado pelo Instituto Ecofaxina é a execução de um projeto para a instalação de um sistema contenção com ecobarreiras perto das comunidades que vivem em palafitas.

A medida ajudaria a reduzir a quantidade de resíduos sólidos que vão parar no mangue e acabam sendo levados para o oceano pela maré.

“A Coca-Cola já demonstrou interesse em participar, e o projeto está aprovado no Município. Estamos apenas aguardando a liberação de áreas para a instalação de um galpão para os trabalhos”, explica William Rodrigues.