EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

11 de Agosto de 2020

Instituto Neo Mama pede ajuda à população para manter atividades

Entidade, que atua há 18 anos no atendimento a mulheres com câncer de mama na região, faz campanha para arrecadar dinheiro e bancar seus custos frente ao coronavírus

O Instituto Neo Mama, que há 18 anos é referência no atendimento gratuito a mulheres com câncer de mama na região, está pedindo ajuda. Fechada há três semanas em razão da pandemia do novo coronavírus, a instituição deixou de atender as usuárias presencialmente e de promover ações que geram renda para bancar o trabalho da entidade. 

“A nossa captação de recursos é por auto-sustentação. A única coisa que temos é isenção de IPTU, mas pagamos aluguel do prédio e contas de água, luz e telefone”, diz Gilze Francisco, fundadora e presidente do Neo Mama, localizado na Avenida Coronel Joaquim Montenegro, 345, no bairro Aparecida, em Santos. 

Ela diz que apesar de o instituto funcionar com o trabalho de voluntários, os custos de manutenção da sede e da unidade de Onco Laserterapia, que desde 2018 também oferece tratamento gratuito a homens e mulheres na Rua Júlio Conceição, 296, na Encruzilhada, consomem cerca de R$ 12 mil mensais.

“Tivemos que parar o bazar, as noites de pizza, as tardes beneficentes. Todas as atividades de captação de recursos que normalmente acontecem foram canceladas”, relata Gilze, frisando a importância de manter o isolamento social para conter a proliferação da Covid-19. 

Com este cenário, o instituto lançou a campanha ‘Tijolos do Bem”, onde as pessoas podem contribuir com valores que vão de R$ 30 a R$ 960.

Mais de 3 mil mulheres

Em 18 anos de existência, Gilze Francisco estima que o instituto já atendeu diretamente mais de 3 mil mulheres (com “impacto social de cerca de 10 mil pessoas”, ela calcula) de várias cidades da Baixada Santista. Cerca de 250 mulheres buscam atendimento mensal na entidade.

Com a interrupção temporária das atividades na sede, as mulheres contam com uma rede de apoio virtual. Aulas de educação física para a prática de exercícios em casa e orientações com a nutricionista e outros profissionais do instituto podem ser acessadas por meio do WhatsApp.

“A gente montou uma rede de suporte e eficiência. O instituto está fechado, mas os nossos braços e o coração continuam alcançando as mulheres em suas residências”, aponta Gilze.

Como ajudar

Quando em pleno funcionamento, o instituto oferece às usuárias, entre outros serviços gratuitos, atendimento fisioterápico e nutricional especializado, orientação jurídica, oficina de artes, banco de perucas, próteses externas, lenços e chapéus, aulas de dança de salão e de percussão com bolas, mini-academia e piscina. 

“Tudo para incentivar a auto-estima e a auto-imagem da mulher. Se todo mundo ajudar um pouquinho, nós conseguiremos honrar nossos compromissos e não vamos ter qualquer tipo de abalo quando reabrirmos”, aposta Gilze Francisco, que também é presidente da rede feminina de combate ao câncer do Estado de São Paulo. 

Quem quiser ajudar o Instituto Neo Mama pode fazer doações diretamente nas contas da entidade: Banco do Brasil, agência 3554-8, Ponta da Praia, conta 30000-4; ou no Banco SICOOB, agência 5122, Metropolitana, conta 7500-0. O CNPJ da entidade é 04.904.310/0001-91.

Outra forma de colaborar é acessando os sites http://cancerdemama.com.br/ e http://tijolosdobem.org.br/ para participar da campanha “Tijolos do Bem”.

Tudo sobre: