Escola de samba X-9 quer conquistar 20º título em 2019

Compositor de clássicos como Trem das Onze e Saudosa Maloca, Adoniran Barbosa será homenageado na Passarela Dráusio da Cruz

Por: Matheus Müller & Da Redação &  -  16/02/19  -  12:30
Escola tentará o 20° título do Carnaval: Em 2018, bateu na trave ao perder por critério de desempate
Escola tentará o 20° título do Carnaval: Em 2018, bateu na trave ao perder por critério de desempate   Foto: Vanessa Rodrigues/AT

A X-9 por pouco não terminou campeã do Carnaval 2018. A escola de samba terminou com os mesmos 180 pontos da União Imperial, mas perdeu no quesito de desempate,que considerou a maior nota descartada,no caso, a da Harmonia. Para 2019, porém, o presidente da Pioneira não promete nada menos do que disputar o título novamente,o que seria a 20ª conquista da agremiação.


“Todos os anos trabalhamos pensando no título, e este ano não será diferente. Acredito que estamos muito mais preparados. Fomos felizes na escolha do nosso samba-enredo e o projeto está sendo desenvolvido à risca”, diz Benedito Andrade,o Ditinho.


A escola vai levar à Passarela do Samba Dráusio da Cruz a história de Adoniran Barbosa, considerado o pai do samba paulista, pelo trabalho como compositor e cantor. O artista, no entanto, também desempenhava seu papel como ator e humorista. Ditinho diz que dentro das condições financeiras da escola e do Carnaval regional, os envolvidos nessa festa mostram toda “capacidade de criação e superação” para oferecer ao público “um grande espetáculo”. “Conseguimos surpreender a todos pela nossa vontade de não deixar a nossa tradição (acabar)”.


Trabalho de qualidade


Não é de hoje que o Carnaval do Rio de Janeiro e de São Paulo são os principais nesse modelo, com escolas de samba e suas alegorias e, apesar da diferença econômica, o presidente da X-9 garante os ver como referência para “desenvolver um trabalho bem parecido ao dessas duas potências”. Para 2019,as escolas receberam um aumento no repasse feito pela Prefeitura, algo que é visto por Ditinho como uma reposição, pois não alcançou os valores de 2017 – passou de R$ 52 mil paraR$85mil.


“A interferência (daquestão financeira) sempre irá existir porque a matéria prima (para preparar o Carnaval) e a mão de obra estão mais caras. No entanto, a escola sabe que não pode deixar influenciar a qualidade e que a apresentação tem que ser igual ou superior à do ano anterior, principalmente uma escola com a tradição que tem a X-9”. 


Logo A Tribuna