Em visita a Santos, Doria abre possibilidade de Natal e Réveillon sem máscaras ao ar livre

Governador destaca avanços no combate à covid-19, mas frisa que atuais regras seguem mantidas

Por: Rosana Rife Da Redação  -  17/10/21  -  19:25
Atualizado em 18/10/21 - 08:06
 Doria abre possibilidade de Natal e Réveillon sem máscaras ao ar livre
Doria abre possibilidade de Natal e Réveillon sem máscaras ao ar livre   Foto: Matheus Tagé/AT

Natal e Réveillon sem máscara em locais abertos em todo o Estado. Essa é a expectativa do governador João Doria (PSDB), que esteve neste domingo (17) em Santos para participar de evento com filiados da legenda em busca de votos nas prévias do partido.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Doria afirma que até o final do ano nada deve mudar em relação ao uso obrigatório da máscara, embora ressalte que o tema esteja sendo analisado semanalmente pelo Comitê Científico, que é independente e formado por infectologistas.


“Se houver uma indicação, que será da ciência e da saúde, de que podemos não usar máscaras, por exemplo, em ambientes ao ar livre, nós poderemos adotar. Não estou antecipando, mas desejando”.


E ressaltou um cenário favorável, hoje, com aumento da vacinação, o que tem proporcionado redução no número de casos de covid-19, de internações em leitos de UTI e óbitos. “Os índices estão bons e, se tudo continuar assim, é bem provável que possamos anunciar. Mas essa não é a orientação ainda”.


O governador também falou sobre os últimos casos de latrocínio na região, que deixaram sete mortos em aproximadamente dois meses. Apesar disso, ele afirma que os índices de criminalidade caíram na região.


De acordo com dados da Secretaria de Segurança Público (SSP), houve nove latrocínios entre janeiro e agosto de 2020 contra quatro no mesmo período deste ano. Vale ressaltar que três dos últimos crimes ocorreram no mês passado e, portanto, estão fora dos dados divulgados.


“Lamento muito os incidentes e (a morte) as vítimas. Isso não pode ser entendido como aumento de criminalidade. é uma circunstância pontual. Os índices estão melhorando em toda a Baixada”.


E negou que haja aumento no número de policiamento. “Neste momento, não há necessidade de aumento de efetivo. A estrutura da polícias Militar e Civil é muito robusta em Santos e nas demais cidades. Obviamente, se houver expectativa de que isso possa se transformar em uma tendência, a capacidade de reação da PM é imediata”.


Já Rodrigo Garcia reforçou que haverá policiamento suficiente para a região durante a temporada de verão. “A polícia está fazendo seu dimensionamento e o Governo vai garantir a demanda que precisar para a Operação Verão”


Logo A Tribuna