Doria autoriza a ampliação do VLT até o Centro de Santos e obras devem começar imediatamente

Traçado faz parte da segunda fase de expansão do meio de transporte de baixo nível de poluentes. Obra deve ficar pronta em até 30 meses, ligando o Valongo à estação Conselheiro Nébias

O governador João Doria (PSDB) assinou, na manhã desta quinta-feira (24), a ordem de serviço para o início das obras da segunda fase do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista. Com prazo estimado de até 30 meses de intervenções, o trecho ligará a Avenida Conselheiro Nébias ao Valongo, no Centro de Santos. 

Assine A Tribuna agora mesmo por R$ 1,90 e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

A autorização dos trabalhos ocorreu durante agenda do governador em Santos, na Rua Amador Bueno, no Centro Histórico. O local receberá uma das 14 novas estações previstas na segunda fase de ampliação do meio de transporte público regional.

“É uma obra importante por trazer novos postos de empregos (para a Baixada Santista). Vai atender cerca de 8 quilômetros, permitindo uma mobilidade de mais de 35 mil pessoas por dia. Vai facilitar o acesso ao Valongo e à Conselheiro Nébias”, afirmou Doria, em visita à diretoria do Grupo Tribuna, nesta manhã. 

O governador destaca ainda que a ampliação do traçado vai consolidar o modal, que “já mostrou sua utilidade à mobilidade urbana, na funcionalidade, num processo de baixa emissão de carbono. A população de Santos adotou o VLT”, destaca o governador. 

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), afirma que a expansão do meio de transporte será um “marco histórico” para a revitalização do Centro. “O projeto foi mudado e adequado para que pudesse impulsionar a região central. O que revitalizou as regiões centrais em outros lugares do mundo foi o transporte de qualidade. São as pessoas que revitalizam os espaços”.

Durante a visita ao Grupo Tribuna, João Doria foi recebido pelo diretor-presidente da TV Tribuna, Roberto Clemente Santini, pelo diretor-presidente do Jornal A Tribuna, Marcos Clemente Santini, e pelos três editores-chefes do Grupo, Eduardo Silva, da TV, Alexandre Lopes, do Digital, e Arminda Augusto, do Impresso.

As obras

As intervenções serão realizadas pela construtora Queiroz Galvão S.A, homologada em janeiro como a vencedora do processo seletivo para implantação da segunda fase do VLT. O contrato foi assinado com o Estado há quase três meses. 

A Companhia Ambiental do Estado (Cetesb) concedeu a Licença de Instalação (LI) para o trecho na sexta-feira (18), conforme publicação no Diário Oficial do Estado. Segundo o órgão paulista, a licença tem prazo de validade de seis anos. 

Para realizar a obra, a empreiteira apresentou proposta de R$ 217,7 milhões. Trata-se de uma diferença de – 27,42% do estimando pelo órgão paulista, que era de aproximadamente R$ 300 milhões. A empresa foi responsável pela intervenção no já trecho em operação, entre o Terminal Barreiro, em São Vicente, e o Porto de Santos. 

A EMTU estima que o novo trecho transportará até de 35 mil passageiros por dia. Nesta fase, o modal ligará a estação Conselheiro Nébias ao Valongo, no Centro Histórico de Santos. Com extensão de oito quilômetros, o ramal terá 14 estações. 

Tudo sobre: