Distrito da Alemoa, em Santos, pede mais atenção

Área reúne 45 indústrias; problemas de infraestrutura incomodam

Por: Da Redação  -  24/11/18  -  11:27
Um ponto de alagamento constante em frente ao número 1.310 da Avenida Vereador Alfredo das Neves
Um ponto de alagamento constante em frente ao número 1.310 da Avenida Vereador Alfredo das Neves   Foto: Alexsander Ferraz/AT

Bem próximo da entrada de Santos já em plena transformação com as obras de remodelação e de infraestrutura, o Distrito Industrial da Alemoa pede mais atenção do Poder Público. A região, que concentra 45 empresas onde trabalham mais de 3 mil pessoas, tem o tráfego predominantemente pesado, formado principalmente por caminhões.


Somente por isso esta região da Cidade já demandaria trabalho contínuo de manutenção. A Tribuna transitou pelas ruas do distrito e encontrou trechos de ruas com asfalto ainda em ótimo estado, mas outros com problemas que causam riscos.


Um ponto de alagamento constante em frente ao número 1.310 da Avenida Vereador Alfredo das Neves, sob qualquer chuva fraca, provoca transtornos na via. Bem em frente, um terreno tem manilhas de concreto para drenagem, sem uso aparente. “É só aqui nesse ponto. Iria começar uma obra aí e parou”, afirmou o ambulante Rodrigo Santos, de 32 anos, que vende lanches há seis anos no local.


Na mesma via, a 100 metros do ponto cheio d’água, um buraco profundo informalmente sinalizado, com pedaço de madeira colocado por algum munícipe, faz como que os caminhões desviem na pista. Trafegando mais 300 metros, já na Avenida Alberto Schweitzer, uma tampa de bueiro quebrada o deixa aberto, oferecendo perigo a pedestres e até motoristas.


Evolução


O desgaste do asfalto é evidente – e se explica pelo trânsito de veículos pesados – mas os buracos maiores se concentram em pontos específicos da Rua Aprovada Novecentos e Sessenta e Dois e da Alberto Schweitzer.


“A infraestrutura melhorou muito nos últimos anos. Perto do que era, é visível a evolução. Mas o Distrito Industrial ainda precisa de um trabalho constante e maior presença (do Poder Público)”, afirmou o presidente da Associação das Empresas do Distrito Industrial e Portuário da Alemoa (AMA), João Maria Menano.


A organização do trânsito é outro calcanhar de Aquiles dessa região desde que se iniciaram as obras da entrada de Santos. “O trânsito ficou tumultuado, principalmente porque coincidiu com um momento de aumento na movimentação de cargas. Temos que conviver com essa realidade porque as ações vão melhorar a infraestrutura. Mas precisamos mais da CET aqui”.


Ele ressaltou que a AMA tem participado de reuniões com a companhia, a Secretaria de Assuntos Portuários e com outros órgãos em virtude da gestão das obras em curso.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna