Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Condutores de motolâncias do Samu, em Santos, recebem acessórios de segurança

Veículos possuem desfibrilador, aparelhos para medir a pressão arterial e glicose, cilindro de oxigênio e suporte para atendimento de traumas

Por: Por ATribuna.com.br  -  06/03/21  -  23:14
Motolâncias chegam em um tempo 60% menor que as ambulâncias, e iniciam o primeiro atendimento
Motolâncias chegam em um tempo 60% menor que as ambulâncias, e iniciam o primeiro atendimento   Foto: Patrícia Fagueiros/PMS

Os técnicos de enfermagem do Samu que se locomovem para atendimento por motolâncias receberam novos equipamentos de proteção individual: capacetes, cotoveleiras e joelheiras, sendo 10 unidades de cada acessório. A entrega foi realizada nesta quinta-feira (4), na base Encruzilhada do Samu.  


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"O trabalho das motolâncias é fundamental para salvar vidas nos casos mais complexos, pois os técnicos de enfermagem chegam em um tempo 60% menor que as ambulâncias e iniciam o primeiro atendimento", disse o secretário municipal de Saúde, Adriano Catapreta.


De acordo com a prefeitura, por mês, as motolâncias realizam, em média, 130 atendimentos. Esses veículos são preparados para oferecer o mesmo atendimento que ambulâncias de suporte básico de vida: possuem desfibrilador, aparelhos para medir a pressão arterial e glicose, cilindro de oxigênio, suporte para atendimento de traumas, entre outros materiais.


A aquisição dos acessórios para os enfermeiros foi feita com recurso de emenda parlamentar no valor de R$ 10 mil, do vereador Lincoln Reis, mais complementação da Prefeitura.


Histórico


Histórias marcantes não faltam entre os condutores das motolâncias. O técnico de enfermagem Danilo Intrieri destacou o atendimento que realizou na última quarta-feira (3): em apenas três minutos chegou a uma residência onde ocorria um trabalho de parto. "Quando cheguei, o bebê já havia nascido, mas cortei o cordão, realizei a primeira identificação de mãe e filho. Enfim, demos a primeira assistência até a remoção para unidade hospitalar".


Nem todos os finais são felizes, mas para o técnico de enfermagem Michel Campos "o importante é darmos o nosso máximo e a motolância nos permite reduzir bastante o tempo de resposta. É muito bom quando a gente chega e a pessoa se surpreende dizendo que havia acabado de ligar".


Por meio do Núcleo de Educação Permanente (NEP), todos os funcionários do Samu, incluindo os técnicos que conduzem as motolâncias, passam por capacitações frequentes, nas quais são tratadas situações do dia a dia e discussão de casos.


Logo A Tribuna