EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

24 de Outubro de 2019

Cadela quebra as quatro patas ao cair de prédio, supera dificuldades e volta a andar; vídeo

Depois de passar por duas cirurgias, a pequena Bebê ganhou uma segunda chance e um novo lar

Um incidente que poderia ter sido fatal tirou apenas sua mobilidade temporária, mas não sua vontade de viver. “Bebê”, como foi batizada, lutou bravamente com todas as suas forças e, hoje, tem uma nova vida. Essa é a história da cadelinha que caiu de um prédio e quebrou as quatro patas, em junho deste ano.

Tudo começou com um telefonema em uma noite de domingo, conta Marília Asevedo Moreira, de 59 anos. A ex-publicitária, hoje aposentada, conta que seu marido, o vereador Benedito Furtado, recebeu um pedido de ajuda inadiável. Ao chegar à ONG Defesa da Vida Animal, os cuidados tiveram início.

Cadelinha teve que usar talas, placas e pinos para se recuperar (Foto: Facebook/Benedito Furtado)

Ao passar pela radiografia, as fraturas foram constatadas. Bebê precisou colocar talas, placas e pinos, e ainda passou por duas cirurgias. Hoje, a cadelinha caminha com as duas patas dianteiras e a traseira esquerda, a direita ainda está em recuperação.

“Conversei com a antiga dona e ela realmente não tinha condições de cuidar, queria deixar com a gente. Coloquei nela o nome de Bebê para não criar muito vínculo, cuidar, castrar e doar. Mas não tenho mais como dá-la a outra pessoa, pois já estamos muito apegados a ela. Acho que já sofreu demais, e agora encontrou sua família”, diz.

Bebê ainda faz fisioterapia para o fortalecimento das patas (Foto: Arquivo Pessoal/Marília Moreira)

Marília lembra que o resgate foi meio sem querer. “O que podíamos fazer com uma cadelinha com as quatro patas quebradas e uma tutora que não ia cuidar? Como ela não andava, trouxe para casa e levo todos os dias para os cuidados na ONG. A ideia era fazer ela ficar totalmente saudável e arranjar um lar carinhoso, mas está extremamente agarrada a mim e a meu marido, como se tivesse medo de ser abandonada de novo”, revela.

Além do sentimento de muito amor e cuidado, o casal é testemunha de todo o sofrimento nas cirurgias e pós-operatório. “O problema é que ela já nós adotou. Fico triste, pois ainda falta muita conscientização da população. Não interessa se é um animal de raça ou não, se é grande ou se é pequeno. As pessoas continuam não tendo por eles o carinho, a relação que deveria ser de um ser para outro”, lamenta.

A aposentada fala que, além de respeito e carinho, é necessário ter consciência da importância da castração. “Pois ainda se encontram muitos animais no lixo. Um dos cães que tenho em casa é uma cocker, e ela foi achada no lixo. Estava dentro de um saco, pronta para morrer”, afirma.

Cadelinha e Benedito Furtado em um de seus encontros felizes (Foto: Facebook/ Benedito Furtado) 

Para Marília, é importante, também, conscientizar que os animais não podem ficar em janelas de prédios ou casas que não tenham tela, por conta de acidentes como esse. “Então, o resgate para a gente é ‘pronto, salvamos mais uma vida’, que é o que eu acredito que viemos ao mundo para fazer. Viver e ajudar os outros a viverem, se cuidar e cuidar dos outros” finaliza.

Confira o vídeo da Bebê passeando no Jardim Botânico de Santos e mostrando sua incrível recuperação:

Tudo sobre: