EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

22 de Julho de 2019

Árvores santistas terão cuidadores da comunidade

Projeto prevê angariar voluntários para tomar conta de espécies nas áreas públicas

Santos pode ganhar, ainda neste ano, cuidadores de árvores. São pessoas que ficarão observando as espécies em áreas públicas para garantir seu crescimento e desenvolvimento sadio. Mas essa função não trará gastos extras aos cofres públicos. O trabalho será voluntário.

A iniciativa, que acaba de virar lei municipal, é uma proposta do vereador Braz Antunes (PSD). “Na minha época de criança, as pessoas moravam em casa e tinham árvores frutíferas nas residências. Com o boom imobiliário e a mudança para apartamentos, elas acabaram ficando órfãs de árvores”.

O parlamentar justifica também que a nova lei deve ajudar a prefeitura, que não tem recursos para o plantio e a proteção das mudas.

Regras

“Sempre temos pessoas querendo plantar e cuidar de árvores, mas a legislação anterior não permitia isso. Agora vamos regulamentar para que elas possam fazer esse uso”, explica o chefe do Departamento de Política e Controle Ambiental, da Secretaria do Meio Ambiente de Santos, João Cirilo.

Mas ele alerta que nem tudo poderá ser realizado pela população. “Vão poder plantar, desde que autorizados, e vão poder cuidar, adubar.Mas a poda continuará sendo proibida”, afirma o técnico da prefeitura.

A intenção é que as pessoas interessadas sejam credenciadas e façam capacitações para conhecer a legislação e os principais cuidados com as plantas. “Quando a pessoa traz para si essa responsabilidade, cuidar das plantas ganha um valor a mais para ela. As mudas deixam de ser vandalizadas porque tem alguém por perto zelando por elas. Eles passar a ser os nossos olhos espalhados pelos bairros”.

A regulamentação para a criação dos cuidadores de árvores ainda está sendo definida. Cirilo acredita que um primeiro esboço dela deva ficar pronto em dois meses.