Praia Grande vai liberar até mil licenças para novos ambulantes

Trabalhadores poderão vender alimentos na praia e na Cidade

Por: Júnior Batista  -  07/01/21  -  21:50
Cidade ganhou 5.927 habitantes durante um ano
Cidade ganhou 5.927 habitantes durante um ano   Foto: Carlos Nogueira/AT

A Prefeitura de Praia Grande vai emitir mil licenças temporárias de ambulantes para cidadãos da Cidade que queiram trabalhar nas praias ou nos calçadões vendendo alimentos e balões de gás. A liberação faz parte de um pacote de ações que a Prefeitura promove para minimizar a crise causada pela covid-19.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Segundo a prefeita Raquel Chini (PSDB), a intenção é ter em mãos, até o final do mês, um relatório da Secretaria Municipal de Finanças para viabilizar a medida. O formulário de inscrição está disponívelno site da Prefeiturae pede-se RG, CPF, título de eleitor e comprovante de residência.


Os interessados precisam preencher ao menos um desses requisitos: estar cadastrado em programa social municipal ou ter recebido algum acompanhamento do serviço social municipal na pandemia, ter filhos na rede pública de ensino da Cidade e possuir cadastro na Estratégia de Saúde da Família (ESF).


“Muitas pessoas começaram a trabalhar na pandemia vendendo alimentos e me perguntavam como regularizar sua situação. Por isso, liberaremos mil inscrições, que devem ser suficientes”, explica a prefeita.


Poderão ser comercializados coco, suco de frutas, sorvete, doces em geral, pipoca, açaí, milho e derivados, churros e balões de gás e objetos infláveis. Está proibida a venda de raspadinhas, pipas e roupas.


Os novos ambulantes poderão atuar na faixa de areia – sendo proibido o trabalho no calçadão – ou nas vias, exceto nas avenidas Presidente Kennedy, Marechal Mallet, Presidente Costa e Silva, Vicente de Carvalho, Nossa Senhora de Fátima e Presidente Castelo Branco.


“As licenças foram feitas dessa forma para equacionar o máximo de pessoas possível. Restringimos alguns locais para evitar a competição com os comerciantes dos bairros, que também sofrem com os efeitos da pandemia”.


A Prefeitura reforça que a licença é intransferível. Caso seja constatado que o ambulante não está exercendo pessoalmente a atividade, o benefício será suspenso imediatamente.


Logo A Tribuna