Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Pacientes desmaiam aguardando atendimento em UPA de Praia Grande: 'Cenário de horror'; VÍDEO

Moradores denunciam aglomeração e demora no atendimento da Unidade de Pronto Atendimento Quietude

Por: Ágata Luz  -  03/03/21  -  18:10
Moradores flagraram o momento em que uma mulher desmaiou por conta do calor
Moradores flagraram o momento em que uma mulher desmaiou por conta do calor   Foto: Reprodução/Praia Grande Mil Grau

Muitas pessoas passando mal no aguardo de atendimento. Este foi o cenário da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Quietude nesta terça-feira (2), em Praia Grande. A grande aglomeração de munícipes em busca de ajuda médica causou desespero entre os pacientes. 


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 


Munícipes flagraram momentos em que diversas pessoas passavam mal por conta do calor e demora no atendimento, inclusive, quando uma mulher desmaiou no chão da unidade. O ajudante de eletricista Carlos Eduardo Cordeiro, de 28 anos, registrou a cena. "Uma moça estava há muito tempo esperando para ser atendida. Então chegou um momento que ela desmaiou e as pessoas que estavam lá que ajudaram. Depois de muito tempo que a colocaram na maca para a emergência", declara.


Carlos explica que foi levar a mãe de 50 anos na UPA, pois ela estava com muitas dores no corpo e febre. De acordo com ele, a sensação era de que faltava pouco para um colapso. "Cheguei por volta das 11h30 e olhei no relógio quando ela foi atendida, às 14h15", relata. Ele ainda afirma que, quando atendida, a mãe recebeu dipirona e foi mandada para casa.


Irmã de Carlos, Lauriceia Cordeiro Pereira, de 24 anos, declara que perdeu o pai na unidade médica há dois meses e tem medo de complicações na saúde da mãe. "Estou com medo de perder minha mãe, pois nem um exame pediram para ela. Só liberou e mandou para casa, será que vou ter que perder minha mãe por irresponsabilidade deles?", questiona. Os irmãos ainda alertam que a mãe não consegue levantar da cama e que pessoas com sintomas de covid-19 estavam junto com os demais que aguardavam atendimento.



Além disso, a UPA também é alvo de reclamações em relação ao tratamento prestado pelos profissionais.  "Passei por três médicos e dois deles foram ignorantes comigo", relata o montador de móveis, Dener Martinho de Souza Silva, de 38 anos. Ele foi até o hispital na segunda-feira (1) pois ele, a mãe e o irmão estavam com os mesmos sintomas. "Nos direcionaram para o setor de covid e lá ficamos por quase uma hora para sermos atendidos e falarem que não éramos pra ter ido ali pois febre, dor de cabeça e dor no corpo não são motivos para o setor de covid", explica.


Ele relata que a família esperou quase três horas para ser atendida: "Mesmo sem o local estar cheio. Notei que nos consultórios os médicos só entravam quando se formavam filas". Dener retornou na terça-feira (2), quando notou a situação do hospital. "O cenário era de horror", enfatiza.


"A mulher que desmaiou estava próximo de mim e mesmo com o pedido de ajuda dos que estavam ali perto demorou alguém chegar para socorrer a moça", declara o montador de móveis. 


"Um absurdo misturar em plena pandemia casos suspesitos com os demais pacientes por mais que tenha uma fita separando esses pacientes", diz Dener. Ele ainda explica que com o passar do tempo, o número de pessoas foi aumentando, bem como as reclamações. "Foi aí que uma senhora dizendo ser assistente social autônoma perguntou quem estava a mais de três horas ali e a maioria levantou a mão. Foi a deixa para ela fazer o discurso de indignação, pois ela estava com a mãe com mais de 70 anos", afirma. Porém, o montador de móveis ainda está com sintomas: "Irei voltar lá e espero que tudo esteja melhor".


Resposta


Procurada por ATribuna.com.br, a Prefeitura de Praia Grande informou que o PS de Quietude teve grande fluxo de pessoas nesta terça-feira (2), porém o atendimento foi agilizado e flui normalmente. A Administração Municipal ainda alertou que o Hospital de Síndromes Gripais que atendia anexo ao PS, a partir desta quarta-feira (3) passa a operar em outro local.


De acordo com a Prefeitura, nesta terça-feira (2) os pacientes com sintomas gripais foram atendidos no PS, porém houve uma triagem que os separou dos demais. A partir desta quarta, os pacientes podem se dirigir ao novo local.


Logo A Tribuna