Pedágios da Anchieta e Imigrantes aumentam para R$ 28,00

As rodovias Cônego Domênico Ragoni e Padre Manoel da Nóbrega também sofreram reajustes na Baixada Santista; confira

Os motoristas que utilizam as rodovias paulistas devem preparar o bolso. A partir de 1º dezembro, as tarifas de pedágio serão reajustadas. Os valores foram publicados nesta sexta-feira (20), no Diário Oficial do Estado.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

De acordo com o texto publicado, "as tabelas do reajuste da Base Tarifária Quilométrica, para os lotes integrantes da 1ª Fase (09 lotes) e da 2ª Fase (5 lotes e Rodoanel Mário Covas - Trechos Oeste, Sul e Leste) do Programa Estadual de Concessão de Rodovias, cujos reajustes foram aprovados na 917ª Reunião do Conselho Diretor, realizada em 29-10-2020, para vigorar a partir das 00h de 01-12-2020".

As tarifas mais altas estão no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), que liga a Baixada Santista à capital paulista. Os pedágios da Anchieta (Riacho Grande) e Imigrantes (Piratininga) serão reajustados de R$ 27,40 para R$ 28,00.

Já o pedágio da Rodovia Cônego Domênico Ragoni, na altura do Km 250, passa de R$ 12,80 para R$ 13,00. O posto instalado no Km 280 da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, na altura do Humaitá, em São Vicente, não sofrerá reajuste, permanecendo R$ 7,60. 

O reajuste vale para todas as estradas que estão sob contrato de 19 concessionárias espalhadas pelo estado. Os valores de todas as rodovias paulistas podem ser conferidas aqui.

Desde 1998, início das concessões em São Paulo, o reajuste é aplicado todo dia 1º de julho, data estipulada nos contratos das três primeiras etapas do Programa de Concessões Rodoviárias. Já nas duas concessões mais recentes, assinadas a partir de 2017, o reajuste será aplicado nas datas de aniversário dos contratos: Entrevias (6 de julho) e ViaPaulista (23 de novembro).

No entanto, em 2020, o reajuste dos pedágios das rodovias estaduais de São Paulo foi postergado. De acordo com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), o adiamento levou em consideração o cenário de estado de calamidade pública, em razão da pandemia provocada pela covid-19.

 

Tudo sobre: