Passageiros devem evitar contatos em transportes públicos por conta do coronavírus

A locomoção é necessária, mas a orientação é não tocar em locais onde muitos passam a mão e usar álcool em gel

Uma das principais orientações médicas neste momento para evitar qualquer possibilidade de contágio por coronavírus é evitar aglomerações. Apesar disso, é grande a necessidade de muitos moradores em utilizarem transportes públicos que, em horários de pico, ficam lotados.

A Reportagem observou o embarque e desembarque em diversas plataformas, de ônibus, VLT e barcas da Dersa, o balanço apurado entre os entrevistados foi de preocupação sem muito compromisso. As pessoas ouvidas até evitam encostar em objetos, mas não abrem mão de seguir a rotina.

“Eu, na minha idade, não tenho medo de nada. Nos prevenimos ao evitar alguns contatos e usar álcool em gel, até carrego um na bolsa. Mas não tem jeito, a minha filha faz bolo e preciso entregá-los. É o ganha pão”, diz Néa Correia Rabelo, aposentada de 75 anos, ao desembarcar do VLT.  

Higienização

Entre as Prefeituras e companhias responsáveis pelos transportes públicos, a maioria ressalta limpar os veículos antes e depois do dia em circulação.

O médico infectologista Marcos Caseiro orienta: “se as empresas puderem aumentar a quantidade de vezes de limpeza com em álcool em gel” será melhor. “A conduta mais importante nesse momento é que as pessoas com problemas respiratórios fiquem em casa, em isolamento residencial”.

A Dersa informou que atende as diretrizes do Governo de São Paulo que criou um Centro de Contingência para monitorar e coordenar ações contra a propagação do novo Coronavírus.

“Todas as embarcações das travessias receberam material visual contendo informações sobre medidas de prevenção, assim como a limpeza que ocorre diariamente, principalmente nas lanchas”.

A Viação Piracicabana, em Santos, informa que segue as recomendações do Ministério da Saúde e demais órgãos competentes, redobrando a atenção nos ônibus. “Estamos trabalhando em campanhas de conscientização internas para os colaboradores, a fim de zelar pela saúde de bem estar de todos”. A BR Mobilidade Baixada Santista diz seguir as mesmas orientações, em relação aos ônibus intermunicipais e VLTs

A Otrantur, em São Vicente, ressalta a limpeza dos ônibus e estuda uma campanha de conscientização junto aos passageiros que utilizam o transporte da cidade.

Empresas de ônibus afirmaram seguir recomendações do Ministério da Saúde (Foto: AT)

Situação não é crítica

Caseiro explica que a região não está em situação crítica. “Não temos casos. Então, temos que aprender o que as informações da China nos deram.  É uma transmissão de contato e, assim que nós devemos proceder, com cuidados ao lavar as mãos, e evitar encosta principalmente em locais onde todo mundo coloca a mão”.

Ele informa que “não há o menor sentido de uma pessoa usar máscara”, a não ser que trabalhe na área de saúde, em ambiente hospitalar.

“Não é uma doença de transmissão respiratória. Em ambiente público, usar máscara é uma piada, não tem a menor lógica neste momento”, diz Caseiro. “Devemos tomar os cuidados de assepsia, lavar as mãos, usar álcool gel, evitar de tocar a mão no rosto, aglomeração e nem pensar em viajar para fora do País”.

Segundo momento

O infectologista aponta, porém, que, num segundo momento, quando a epidemia chegar, outras medidas devem ser adotadas. “Ela vai chegar. Nós vamos ter casos até o fim do mês e um pico até os 15 primeiros dias de abril. Acho que as pessoas idosas, principalmente aquelas com idade acima de 70 anos, deverão fazer um isolamento social, ficarem quietinhas em casa”.

Tudo sobre: