EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

9 de Agosto de 2020

Pandemia faz preço do arroz e feijão disparar nos supermercados em SP

Levantamento de uma empresa de tecnologia aponta ainda escalada nos custos de leite, massas e enlatados. Alta procura por reflexos da quarentena justifica elevação

O tradicional prato do brasileiro está mais salgado e já pesa no orçamento das famílias. O preço médio do arroz e do feijão, base da alimentação nacional, disparou  desde o início da pandemia da Covid-19. É o que conclui levantamento realizado por uma empresa de tecnologia e inteligência de negócios de varejo físico. 

O estudo levou em consideração o comportamento dos preços no período de 10 de fevereiro a 04 de maio. Itens de primeira necessidade – arroz, feijão, leite, massas, enlatados e carnes bovinas – foram os principais produtos que tiveram seus preços analisados pela consultoria.  

Conforme o estudo, o preço médio do arroz subiu 4,55% no Sudeste. Para o feijão, a volatilidade observada é ainda mais acentuada. O valor do grão saltou 18,6% na mesma região – sendo a mais elevada para esse item no Brasil.  Levantamento feito por ATribuna.com.br, indica que o reajuste nos produtos teve movimento similar nos supermercados da Baixada Santista. 

O preço do leite também disparou, em média, 9,26%. Segundo a associação civil que reúne os principais representantes e produtores rurais de leite (Conseleite), a recomposição do custo desse alimento na entressafra era um movimento esperado em função da queda na lactação e do impacto da seca em mais de 300 municípios gaúchos. E também reflete o aquecimento do consumo nos primeiros dez dias do mês devido à formação de estoques pelas famílias no início da pandemia. 

A carne bovina foi o único produto que apresentou recuo em todas as praças pesquisadas. No Sudeste, o decréscimo foi de -1,95%. Nos enlatados, também tiveram queda de -2,05%. Já as massas, as oscilações foram de leve alta (0,10%). 

“O objetivo era entender o quanto a pandemia estaria ou não impactando os preços dos principais produtos da cesta básica da população. Começamos a análise dos dados a partir do décimo dia do segundo mês do ano, para garantir que não haveria interferência de altas sazonais motivadas pelo Carnaval. Com esta delimitação, a avaliação sobre a interferência da pandemia nestes preços é mais assertiva”, explica Rodrigo Diana, cientista de dados da InfoPrice. 

Limpeza

Os produtos de limpeza também pesaram no bolso do consumidor no período. Contudo, o vilão dos preços no início da pandemia, o custo do álcool gel recuou 10%. Esses itens tiveram ligeira escalada justamente pelo aumento da procura. 

Diana esclarece ainda que os resultados obtidos são decorrentes de ponderações de medianas nas oscilações dos produtos. “ A partir dos resultados, fizemos o agrupamento por categoria e também por região, de onde vêm os resultados médios apresentados para cada macrorregião do País. Isso nos permite ter uma abordagem muito mais assertiva e que reflete melhor a variação dos preços no varejo”.  

A pesquisa comparou a variação dos preços em 469 lojas físicas e 171.218 datapoints (unidade de observação estatística), que são um conjunto de informações que vão desde o nome do produto, seu preço, a loja em que ele se encontra, se ele está em promoção ou não, entre outras informações relevantes para precificação, sendo esse conjunto individual para cada produto único em cada loja. 

Tudo sobre: