EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

19 de Outubro de 2019

Má alimentação e sedentarismo são principais 'vilões' da obesidade

Dia Nacional de Prevenção e Internacional de Combate ao sobrepeso, que abre portas para outros males como a hipertensão é celebrado nesta sexta-feira

Pelo menos 20% dos brasileiros são obesos, de acordo com o Ministério da Saúde. A obesidade virou um problema não só aqui, mas em vários países. Tanto que hoje é considerado o dia de combate ao sobrepeso no Brasil e no mundo e os especialistas alertam: a má alimentação e o sedentarismo são apontados como grandes vilões nessa história. 

"Estamos fazendo pouca atividade física e consumindo muitos alimentos industrializados, que são gostosos e de fácil acesso, mas extremamente calóricos”, diz o professor-doutor do curso de Educação Física da Universidade Santa Cecília (Unisanta), Alexandre Galvão.

Nessa conta também entram fatores genéticos, metabolismo, estresse, entre outros. “Obesidade é uma doença multifatorial. É a primeira coisa que a gente precisa esclarecer”, explica a coordenadora do curso nutrição Unimes, Nayara Cavalcanti. “O obeso não é obeso porque não tem vergonha, não tem vontade ou não se esforça. Ele é doente por algum motivo”, acrescenta.

Doenças associadas

Com a obesidade, podem nascer uma séries de outras doenças. “Hipertensão, diabetes tipo 2, arterioscleroce que leva ao infarto, câncer, distúrbio do sono, doenças osteoarticulares, apneia, por exemplo”, lista o presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Mario Carra.

A dona de casa Simone Axis, 47 anos, teve de passar por uma cirurgia bariátrica para controlar os problemas do excesso de peso. Ela tem 1,65m de altura e chegou a pesar 118 quilos. Quatro meses após o procedimento, já a balança marca 86 quilos. “Eu vivia cansada, não conseguia caminhar, adquiri artrose na cervical e nos dois joelhos. Agora, me sinto outra”. 

Tecnologia

A tecnologia também foi um componente importante para o aumento da população obesa desde a década de 1950, com o processo de industrialização. “Existe uma relação direta entre o aumento das tecnologias e o sedentarismo e também com a má alimentação”, diz Alexandre. 

Ele destaca hábitos simples que ficaram para trás, mas fazem muita diferença na conta entre gasto energético e consumo de calorias. “Antes, as pessoas iam a pé para o trabalho, à padaria. Subiam escadas, abriam o vidro do carro. Hoje, é tudo elétrico. Sem contar os aplicativos que facilitam tudo e as redes sociais que tomam mais tempo e elevam o sedentarismo”. 

Ele cita o exemplo da época em que as pessoas costumam ter telefone fixo e uma extensão em casa. “Uma pesquisa mostrou que, tendo um telefone só na residência, as pessoas deixavam de ganhar até dois quilos por ano. Hoje, usamos o celular”.

Previna-se

Universidades

UniSantos: O trabalho é desenvolvido na Clínica Integrada. O atendimento é individual. O usuário responde questionário sobre hábitos alimentares e passa por uma avaliação da composição corporal. Depois retorna para receber plano alimentar individualizado. O atendimento também pode ser em grupo. Esse atendimento tem duração de três meses. Interessados devem agendar atendimento na próxima quarta-feira (16) pelo (13) 3228-1215.

Unisanta: Possui o Laboratório de Fisiologia do Exercício (Lafes). Interessados devem entrar em contato pelo Instagram (@lafes.ciencias)

Unimes: Tem o Ambulatório de Nutrição. Funciona às segundas e quartas, das 13h às 22h, e às terças, quintas e sextas, das 13h às 18h.Para participar, faça um agendamento pelo clinica.nutricao@unimes.br ou pelo WhatsApp 98839-2204. Informe contato e conte qual é a sua necessidade.

Prefeituras

Bertioga: Não há programa específico para toda a população.

Guarujá: Possui programa na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Pae Cará (Av. São João, 155, Vicente de Carvalho). Para participar, é preciso de encaminhamento médico da rede municipal.

Itanhaém: Tem programa desenvolvido pela Unidade de Saúde da Família (USF) do Savoy, chamado de Nutrição sem Rótulos. Interessados devem morar no bairro e procurar a unidade.

Mongaguá: Não há programa específico. O trabalho é feito por equipes das unidades básicas de saúde.

Praia Grande: Desenvolve o Medida Saudável. Interessados devem fazer inscrição na Academia da Saúde Maracanã (Rua César Rodrigues, s/nº.

Peruíbe: Nesta sexta-feira (11) começam atividades da Academia da Saúde destinada a idosos. As inscrições devem ser feitas a partir das 14h na Praça Central ( entre as ruas Monteiro Lobato e Érico Veríssimo, Vila Romar).

Santos: Interessados podem procurar as policlínicas para agendar consulta e obter informações sobre atividades realizadas.

São Vicente: Unidades básicas de saúde (UBSs) realizam ações de prevenção. Nutricionistas fazem ações em creches e escolas para prevenir, controlar e tratar a obesidade infantil.

*Cubatão não respondeu até o fechamento da edição.

Maneira como se faz as refeições é fundamental na prevenção

A hora da refeição tem de ser algo tranquilo. A pressa só atrapalha e ajuda a engordar. É importante seguir algumas dicas, diz Nayara Cavalcanti. “Procure comer devagar. Abandone o celular. Mastigue devagar. Sinta o sabor do alimento. Olhe para o prato e entenda o que você está comendo”.

Esqueça as dietas malucas que prometem emagrecimento rápido em pouco tempo. “Mexer com alimentação é algo difícil, porque é cultural. Mas, para você se cuidar, tem que saber o que come. Opte por uma comida mais simples. Um bife grelhado tem 100 calorias; um à parmegiana, 400. O efeito na alimentação é o mesmo, mas são 300 calorias a mais que você vai ter de ver o que fará com elas”, diz Mario Carra. 

Simplicidade

A professora-doutora da Universidade Católica de Santos (Unisantos), Renata Doratioto Albano, concorda que as pessoas deveriam adotar uma alimentação simples para manter uma vida saudável e a balança sob controle. “Descasque mais e desembale menos. As pessoas precisam evitar produtos industrializados e consumir mais alimentos in natura”.

Tudo sobre: